Notícias

Criança desaparecida é encontrada afogada dentro de fossa séptica em Ângulo

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

20 de setembro de 2018 - 00:00 - Atualizado em 16 de março de 2022 - 13:36

A criança desaparecida foi encontrada afogada dentro da fossa séptica. (Foto: Evandro Mandadori)

A criança desapareceu no início da tarde enquanto brincava com os amigos em um centro educativo de contraturno escolar

O corpo de uma criança que estava desaparecida, desde a tarde desta quarta-feira (19), foi encontrada no início da noite, por volta das 18h, dentro de uma fossa séptica na cidade de Ângulo, no norte do Paraná. Miguel dos Santos, de cinco anos, sumiu enquanto brincava com os amigos em um centro educativo de contraturno escolar.

Menino morre afogado durante esconde-esconde

Por volta das 14h, Miguel pediu para sair e brincar com amigos no quintal do local e depois não foi mais visto. Conforme o relato das outras crianças, eles brincavam de esconde-esconde. Por isso, acredita-se que ele tenha avistando um buraco que dava para a fossa – ocasionado por uma forte chuva -, tentado se esconder no local e caído de uma altura aproximada de 5 metros de profundidade, destes 2,5 metros estavam cobertos de água. O menino foi encontrado afogado pelo Corpo de Bombeiros.

A família de Miguel está revoltada porque não existia nenhum tipo de proteção em volta da fossa. Principalmente, porque no centro educacional o número de alunos é grande. 

Programa de Educação Tutorial

No centro educacional onde a tragédia com o pequeno Miguel aconteceu participa do programa Programa Educaciona Tutorial (PET), do Ministério da Educação. Os grupos são desenvolvidos por estudantes, com tutoria de um docente, organizados a partir de formações em nível de graduação nas instituições de ensino superior do país. 

Os bolsistas, conhecidos como ‘Petianos’, são orientados a desenvolver projetos e trabalhos em pesquisas, ensino e extensão com as crianças. A função do tutor seria estimular a aprendizagem com vivências e reflexõs. 

 

*Com informações de Evandro Mandadori, repórter da RICTV Maringá