Notícias

CPI volta na próxima semana com foco em investigação sobre compra de vacinas

Reuters
Reuters
CPI volta na próxima semana com foco em investigação sobre compra de vacinas
Presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz

26 de julho de 2021 - 12:10 - Atualizado em 26 de julho de 2021 - 12:10

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – A CPI da Covid retorna na próxima semana, com o fim do recesso do Congresso, e deve centrar esforços na investigação dos escândalos da compra da vacina indiana Covaxin e das negociações suspeitas com a empresa Davati Medical Supply.

De acordo com o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), já na terça-feira será ouvido o pastor Amilton Gomes de Paula, que teria intermediado a negociação de 400 milhões de doses de vacina entre a Davati e o governo federal.

A negociação não foi adiante, e o representante da empresa denunciou que servidores do Ministério da Saúde teriam pedido propina para levar adiante o negócio.

Não há confirmação de que, de fato, a Davati teria acesso às vacinas que negociou.

Em entrevista à GloboNews, o senador disse ainda que o presidente da empresa Precisa Medicamentos –que intermediou a compra da vacina indiana Covaxin pelo governo federal– Francisco Maximiniano, e Túlio Silveira, advogado da empresa, devem ser ouvidos na quarta e quinta-feiras.

Na sexta-feira passada, o laboratório Bharat Biotech, produtor da Covaxin, retirou da Precisa o direito de representar a vacina no Brasil. Em nota, o laboratório informou também não reconhecer documentos fornecidos pela Precisa como sendo seus.

A operação foi denunciada pelo servidor do ministério Luis Ricardo Miranda, irmão do deputado Luis Miranda (DEM-DF), que diz ter havido pressão fora do normal pela liberação da compra da vacina, mesmo sem a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na seqüência, a Anvisa anunciou no final de semana a suspensão da autorização para testes clínicos do imunizante e encerrou a análise do pedido de uso emergencial das doses no Brasil.

Já o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) –que teria sido citado pelo presidente Jair Bolsonaro, segundo o deputado Luís Miranda, como envolvido nas negociações da Covaxin–, será ouvido na segunda semana de agosto, no dia 12.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6P13A-BASEIMAGE