Notícias

CPI vai usar recesso para analisar documentos, diz Aziz

Reuters
Reuters
CPI vai usar recesso para analisar documentos, diz Aziz
Presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz

16 de julho de 2021 - 12:44 - Atualizado em 16 de julho de 2021 - 12:45

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), disse nesta sexta-feira que, apesar do recesso do Congresso, a CPI continuará trabalhando neste mês na análise de documentos recebidos pela comissão.

“A CPI não vai parar. Não tem reuniões, mas hoje mesmo temos reunião com Renan (Calheiros, relator) e Randolfe (Rodrigues, vice-presidente da CPI) para montar um cronograma de trabalho. Vamos pedir ajuda de um delegado e agentes da PF para analisar documentos recebidos”, disse.

Em entrevista ao canal GloboNews, Aziz afirmou que a volta dos trabalhos presenciais, em agosto, deve incluir uma acareação entre servidores do Ministério da Saúde e funcionários da empresa Precisa, que intermediou a compra das vacinas indianas Covaxin em um contrato cheio de suspeitas.

Outro ponto que a CPI precisa atuar nos próximos 90 dias, afirmou Aziz, é para esclarecer a suspeita de prevaricação do presidente Jair Bolsonaro, que teria sido informado da suspeita de corrupção na compra da Covaxin mas não teria atuado.

“Temos aí um vasto caminho a percorrer na investigação”, disse.

Aziz respondeu às cobranças do líder do governo, Ricardo Barros, para ser ouvido pela CPI. Em seu depoimento, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) disse que, na conversa com Bolsonaro, o presidente o “esquema” que envolvia a Covaxin teria relação com Barros.

“O deputado Ricardo Barros pode passar 50 horas falando na CPI e não vai convencer ninguém. Quem tem que desfazer isso é o presidente, que até agora não fez”, disse Aziz, lembrando que, ao contrário, Bolsonaro já admitiu que recebeu as denúncias de Miranda e de seu irmão, o servidor do ministério Luis Ricardo Miranda, e repassou ao então ministro Eduardo Pazuello, e não negou ter falado de Barros.

“Por que a PF não investigou, a CGU não investigou. Quem não deve não teme. Não fez. Sabe por quê? Por que Luiz Miranda está falando a verdade.”

Aziz disse ainda que o ministro da Defesa, Braga Netto, poderá sim ser investigado pela CPI, caso haja elementos que indiquem essa necessidade. O senador foi alvo de uma nota em tom de ameaça do ministro e dos comandantes das Forças Armadas por ter dito que membros das forças estariam envolvidos nos casos de corrupção na Saúde.

O relator da CPI, Renan Calheiros, defende a convocação do ministro à Comissão. Braga Netto era ministro da Casa Civil até abril deste ano e coordenador do comitê de resposta à pandemia.

“Se Braga Netto tiver que ser investigado será investigado sim. Espero não encontrar nada contra ele”, disse Aziz.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6F0UJ-BASEIMAGE