Coronavírus

Vacinação contra covid-19 em Curitiba começa no dia 20 de janeiro, diz Greca

A imunização contra o novo coronavírus na capital irá iniciar Pavilhão de Eventos do Parque Barigui

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Vacinação contra covid-19 em Curitiba começa no dia 20 de janeiro, diz Greca

14 de janeiro de 2021 - 12:42 - Atualizado em 14 de janeiro de 2021 - 17:59

O prefeito da capital paranaense, Rafael Greca (DEM), confirmou que a vacinação contra a covid-19 em Curitiba irá iniciar no dia 20 de janeiro, às 10 h, no Centro de Eventos Positivo. do Parque Barigui. A afirmação foi dada ao jornal Meio Dia Paraná, da RPC.

Greca se pronunciou após uma reunião virtual entre as prefeituras e o Ministério da Saúde para tratar do calendário de vacinação.

“A vacinação contra a covid-19 começa na manhã de quarta-feira, 20 de janeiro, que coincidentemente é o Dia de São Sebastião. Que coincidentemente, na tradição católica, representa a proteção contra as pestes”, declarou Rafael Greca em áudio enviado à imprensa.

Ainda conforme o prefeito de Curitiba, a vacinação irá ocorrer com agendamento e os primeiros a serem imunizados serão os profissionais da saúde

Na quarta-feira (14), o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, já havia informado que a vacinação contra covid-19 no Brasil iria começar no mês de janeiro. Na ocasião, ele fez questão de ressaltar que Manaus, no Amazonas, é prioridade devido à situação de quase colapso no sistema de saúde da cidade. 

“Vamos vacinar em janeiro e Manaus será também a primeira a ser vacinada. Fui claro? Ninguém receberá a vacina antes de Manaus”, disse o ministro em pronunciamento à imprensa. A vacina será distribuída simultaneamente em todos os Estados na sua proporção de população, e Manaus terá essa prioridade também”, declarou o Ministro.

Durante o encontro desta quinta, o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, informou que a expectativa é que 8 milhões de doses de vacinas sejam disponibilizadas pelo governo federal somente em janeiro. 

As vacinas contra covid-19 que serão usadas serão dependem da aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O Brasil aguarda ansioso o pronunciamento da Anvisa que está examinando todas as vacinas disponíveis: a AstraZeneca que estão chegando da Índia e que serão processadas pela FioCruz, do Rio de Janeiro; a do Instituto Butantan com a Sinovac, que já foram compradas pelo Ministério da Saúde do Governo Federal, e as da Moderna e as Pfizer que também serão importadas pelo Governo Federal”, disse Greca.

Ainda nesta quarta, um avião da companhia aérea Azul irá de São Paulo para Mumbai, na Índia, de onde deverá retornar com 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca no próximo sábado (16).

Ao chegar, as vacinas aguardarão o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que se reunirá no domingo (17) para analisar o pedido de uso emergencial, apresentado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), parceira da AstraZeneca e da Universidade de Oxford no Brasil.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.