Coronavírus

Sem citar governo do Paraná, Rússia vai pedir à Anvisa uso emergencial da vacina Sputnik V

Em agosto de 2020, o governo do Paraná anunciou um acordo para testar e produzir a vacina Sputnik V no Brasil

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações do R7
Sem citar governo do Paraná, Rússia vai pedir à Anvisa uso emergencial da vacina Sputnik V
Frasco com a vacina Sputnik V contra Covid-19 em Belgrado

13 de janeiro de 2021 - 18:21 - Atualizado em 13 de janeiro de 2021 - 18:21

Sem citar o governo do Paraná, o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), financiador e detentor dos direitos comerciais da vacina contra covid-19 Sputnik V, anunciou nesta quarta-feira (13) que pretende solicitar ainda esta semana autorização para uso emergencial do produto no Brasil junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O RDIF anunciou uma parceria com o laboratório brasileiro União Química para o fornecimento de 10 milhões de doses da Sputnik V. De acordo com o comunicado, as doses serão entregues no primeiro trimestre de 2021, com início já em janeiro.

Segundo o acordo, a RDIF deve facilitar a transferência de tecnologia e fornecer biomateriais para o começo da produção no País. A Sputnik V já foi aprovada em emergência por Argentina, Bolívia Argélia, Sérvia e Palestina.

Segundo o anúncio, funcionários brasileiros da Embaixada na Rússia já estão sendo vacinados. Kirill Dmitriev, CEO do RDIF, e Fernando De Castro Marques, presidente da União Química, debateram a possibilidade de propor aos outros países membros do Brics (Índia, China e África do Sul) a criação de uma força-tarefa para combater a covid-19 e pela cooperação na obtenção de imunizantes.

“Nossos parceiros da União Química foram um dos primeiros no mundo a se interessar pela vacina russa Sputnik V. Do nosso lado estamos prontos para uma cooperação em larga escala no abastecimento e na produção para iniciar a vacinação da população do Brasil o mais rápido possível”, afirmou Dmitriev.

Uma delegação da União Química deve visitar as linhas de produção do Sputnik V na Rússia. O imunizante, que custa dez dólares por injeção, tem uma eficácia acima de 90% em casos graves da covid-19 e pode ser armazenado entre 2ºC a 8ºC, temperaturas de geladeiras convencionais.

Paraná

Em agosto de 2020, o governo do Paraná anunciou um acordo para testar e produzir a vacina Sputnik V. Segundo Instituto de Tecnologia do Paraná (TECPar), os dados seriam enviados à Anvisa em setembro e os testes no estado começariam em outubro. Mas nenhuma etapa saiu do papel.

Em dezembro do ano passado, em uma entrevista para o UOL, o Tecpar informou que o fundo de investimento russo alterou o projeto negociado com o Brasil, mas não detalhou o que impediu o avanço da parceria. O instituto declarou que aguarda uma definição da Rússia.

Confira mais informações no R7

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.