Coronavírus

Morte de enfermeira não tem nenhuma relação com vacina da Pfizer, aponta exame

O resultado da autópsia da enfermeira Sónia Azevedo, de 41 anos, revelou que a morte não tem relação com o imunizante

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações do Correio da Manhã
Morte de enfermeira não tem nenhuma relação com vacina da Pfizer, aponta exame
(Foto: Reprodução)

6 de janeiro de 2021 - 20:49 - Atualizado em 6 de janeiro de 2021 - 20:49

O resultado da autópsia da enfermeira Sónia Azevedo, 41 anos, que morreu 48 horas depois de tomar a vacina contra covid-19 da Pfizer, no Instituto Português de Oncologia do Porto, em Portugal, revelou que a morte não tem relação com o imunizante.

De acordo com o relatório preliminar do exame, realizado nesta terça-feira (5), não foi encontrada nenhuma relação entre a morte da profissional da saúde e a vacina contra a covid-19.

“Não foi encontrada nenhuma evidência que possa relacionar a morte com e a vacina”, diz o comunicado do Ministério da Justiça de Portugal. Mãe de dois filhos, a enfermeira Sónia Azevedo sofreu um mal súbito. A causa exata da morte vai ser divulgada apenas no relatório final da autópsia.

Relembre o caso

Sónia Azevedo morreu no dia 1º de janeiro deste ano, 48 horas depois de receber a vacina Pfizer contra a covid-19. A profissional trabalhava no setor de pediatria do Instituto Português de Oncologia do Porto.

O Instituto Português de Oncologia do Porto confirmou que Sónia Azevedo recebeu a primeira dose da vacina da Pfzier no dia 30 de dezembro, e disse que a funcionária não apresentou e nem relatou nenhum efeito adverso logo após a vacinação.

Além dela, outros 538 profissionais da saúde do IPO do Porto receberam a vacina Pfizer-BioNTech.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.