Coronavírus

Governo Bolsonaro pretende iniciar vacinação da covid-19 com dose única

O governo federal já adquiriu 2 milhões de doses da AstraZeneca e outras 6 milhões da CoronaVac, que tem o Instituto Butantan como parceiro no país, para uso emergencial

Reuters
Reuters
Governo Bolsonaro pretende iniciar vacinação da covid-19 com dose única
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello

11 de janeiro de 2021 - 15:44 - Atualizado em 11 de janeiro de 2021 - 15:51

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta segunda-feira (11) que o governo do presidente Bolsonaro pretende iniciar a vacinação contra covid-19 aplicando uma única dose, em um primeiro momento, de forma a ampliar o número de pessoas vacinadas e reduzir a pandemia, e somente mais adiante realizar a segunda aplicação do imunizante.

Em pronunciamento durante visita a Manaus, que passa por uma grave segunda onda da doença, Pazuello afirmou que o ministério avalia adotar essa estratégia com a vacina da AstraZeneca/Oxford, que será produzida no país em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Segundo o ministro, a aplicação de uma única dose permitiria a proteção de 71% e de duas doses acima de 90%. “Talvez a gente entre para imunização em massa, é uma estratégia que a SVS (Secretaria de Vigilância em Saúde) vai fazer para reduzir a pandemia. Talvez o foco não seja na imunidade completa e sim na redução da contaminação, e aí a pandemia diminui muito, podendo aplicar a segunda dose na sequência e vai para imunização de 90 e tantos por cento alto”, disse.

A estratégia de dar um intervalo maior entre as aplicações da duas doses já está sendo adotada no Reino Unido, que decidiu estipular um prazo de 3 meses entre a primeira e a segunda doses da vacina da AstraZeneca. Inicialmente as duas doses da vacina teriam intervalo de 21 dias.

No pronunciamento, Pazuello reforçou que o governo trabalha com três períodos de início da vacinação no país, sendo o mais otimista com começo a partir de 20 de janeiro e o mais demorado de 10 de fevereiro ao início de março.

O ministro disse que o governo federal já adquiriu 2 milhões de doses da AstraZeneca e outras 6 milhões da CoronaVac, que tem o Instituto Butantan como parceiro no país, para uso emergencial, pendente a autorização de uso pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No caso da vacina da AstraZeneca, o governo ainda aguarda a chegada de doses da Índia, enquanto as doses da CoronaVac estão em São Paulo.

Mesmo sem o Brasil ter iniciado sua vacinação e ostentando altos índices de contaminação e mortes por covid-19, Pazuello fez um discurso otimista. Disse que todos os Estados vão receber simultaneamente as vacinas e que o país vai dar “exemplo para o mundo”.

“Todos os Estados receberão simultaneamente as vacinas, no mesmo dia. A vacina vai começar no dia D, na hora H. No dia D, na hora H, no Brasil. No primeiro dia que chegar a vacina ou que a autorização for feita, a partir do terceiro ou quarto dia já estará nos Estados e municípios para iniciar a vacinação no Brasil. A prioridade já está dada, o Brasil todo e vamos fazer como exemplo para o mundo”, disse. “Os grupos prioritários já estão distribuídos, os números já estão distribuídos pelas hipóteses 2, 6 ou 8 (milhões) agora para janeiro. Se começar que for 8 (milhões de doses emergenciais), vamos ser o país que mais vai vacinar no mundo. E aí eu quero ver o que vão dizer, qual vai ser a próxima etapa”, emendou ele, numa referência a críticas que o governo tem recebido ao programa de imunização do governo.

O ministro defendeu a estratégia de se adquirir vacinas que possam ser fabricadas no país e o tratamento precoce contra o Covid-19.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0A179-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.