Coronavírus

Empresários têm aval do governo para comprar vacinas, diz Bolsonaro

A AstraZeneca, no entanto, afirmou em nota que atualmente todas as doses estão reservadas a compromissos já assumidos com governos

Reuters
Reuters
Empresários têm aval do governo para comprar vacinas, diz Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto

26 de janeiro de 2021 - 17:12 - Atualizado em 26 de janeiro de 2021 - 17:12

O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta terça-feira (26) que deu aval para que um grupo de empresários compre, por conta própria, um lote de 33 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 da AstraZeneca para vacinar seus funcionários e doar a metade para o governo brasileiro.

A proposta de compra de vacinas pelo setor privado partiu de um grupo de empresários que, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo, reuniram-se em teleconferência na segunda-feira para definir quem participaria. O grupo Gerdau e a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) estão entre os coordenadores da iniciativa.

“Eu quero deixar bem claro que o governo federal é favorável a esse grupo de empresários para levar avante a sua proposta para trazer vacina para cá a custo zero para o governo federal para imunizar, então, 33 milhões de pessoas”, disse Bolsonaro durante uma conferência para investidores organizada pelo Credit Suisse.

“No que puder essa proposta ir à frente, nós estaremos estimulando, porque com 33 milhões de graça aqui no Brasil para nós ajudaria e muito a economia e aqueles que, por ventura, queiram se vacinar –porque a nossa proposta é voluntariado né– o façam para ficar livre do vírus.”

A AstraZeneca, no entanto, afirmou em nota que atualmente todas as doses estão reservadas a compromissos já assumidos com governos e organizações, sem espaço para a disponibilização de vacinas ao mercado privado.

“No momento, todas as doses da vacina estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais ao redor do mundo, incluindo da Covax Facility, não sendo possível disponibilizar vacinas para o mercado privado”, diz a nota da farmacêutica, acrescentando que mais de 100 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca previstas no acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com o governo federal estarão disponíveis.

Entre as condições que o governo tinha apresentado para apoiar a proposta, estava que os empresários não obrigassem os funcionários a serem vacinados.

Segundo Bolsonaro, o governo foi procurado na semana passada pelos empresários com a proposta de comprar 33 milhões de doses e doar a metade, 16,5 milhões, ao governo. O restante seria usado para vacinar os funcionários das empresas que se dispuserem e entrar no acordo.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, também defendeu a proposta afirmando que a ajuda ao governo será bem-vinda e que não se pode considerar a compra uma questão de “furar-fila”.

O governo chegou a enviar uma carta à AstraZeneca dando o aval para a negociação.

O governo brasileiro também negocia a compra de mais 10 milhões de doses prontas do instituto indiano Serum, que está produzindo a vacina da AstraZeneca, mas a previsão de entrega é apenas para o final de fevereiro.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0P0Y3-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.