Coronavírus

Curitiba pode adotar bandeira laranja até o fim do dia, diz secretária de Saúde

“Com inteligência e prudência, o governo pode se unir com a sociedade para que Curitiba fique aberta”, disse o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM)

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Curitiba pode adotar bandeira laranja até o fim do dia, diz secretária de Saúde
Foto: Eduardo Matysiak

20 de novembro de 2020 - 12:28 - Atualizado em 20 de novembro de 2020 - 12:29

Na manhã desta sexta-feira (20), a secretária municipal de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, disse que a capital paranaense – que está na bandeira amarela – pode mudar para laranja no fim do dia, quando a equipe da Secretaria da Saúde vai receber e consolidar os dados referentes ao novo coronavírus na cidade.

“Não tem como a gente dizer se vai mudar, precisamos dos dados desta sexta-feira. Não tem como a gente dizer se a bandeira vai ficar amarela ainda ou não, ou se vai para laranja. Não sabemos ainda”, afirmou Huçulak.

Nesta sexta-feira, a secretária de saúde e o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), falaram sobre o crescimento da Covid-19 na capital paranaense, que ontem bateu o recorde no número de novas infecções.

“Não há outra explicação para o aumento da pandemia que não o descuido com a obrigação sanitária que é usar máscara, lavar as mãos, passar álcool em gel e não promover eventos ou aglomerações. Não me move a vontade de implantar restrições na cidade. Com inteligência e prudência, o governo pode se unir com a sociedade para que Curitiba fique aberta”, disse Greca.

O prefeito pediu para que o Governo do Paraná e cidades da Grande Curitiba também suspendam as cirurgias eletivas.

PRIMEIRA ONDA CONTINUA

De acordo com Márcia Huçulak, mesmo batendo recordes sucessivos de novas infecções, Curitiba ainda vive a primeira onda da pandemia de Covid-19. “Não é a segunda onda. […] A gente espera, sim, uma segunda onde entre fevereiro e março”, disse.

Sobra a vacina, a secretária de saúde da capital paraense disse que, quando ela for liberada, apenas os grupos prioritários terão acesso: profissionais da saúde e jovens. “Para o publico geral fica apenas para 2022”.

“A transmissão é comunitária. Acordou com febre, tosse, dor no corpo, coriza. ligue na central 3350-9000. Vamos dar o tempo de isolamento para o seu patrão e agendar o melhor dia para um exame. Não precisa correr pra UPA, hospital”, reforçou Huçulak.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.