Coronavírus

Coronavírus prolongado pode afetar várias partes do corpo e da mente

10% dos pacientes de covid-19 continuam doentes por até três semanas, e cerca de 5% podem continuar doente por meses

Renata
Renata Nicolli Nasrala / Editora com informações da Reuters
Coronavírus prolongado pode afetar várias partes do corpo e da mente
Foto: reprodução FioCruz

15 de outubro de 2020 - 08:50 - Atualizado em 15 de outubro de 2020 - 08:50

Um quadro contínuo de doenças após a infecção pela covid-19 é chamado de coronavírus prolongado, e pode causar uma montanha russa de sintomas que podem afetar todas as partes do corpo e da mente, segundo a afirmação de médicos.

Em um relatório inicial sobre o coronavírus de longa duração, o britânico Instituto Nacional para Pesquisa em Saúde (NIHR, na sigla em inglês) afirmou que um tema comum entre pacientes – alguns com sete meses ou mais com a doença– é que os sintomas aparecem em uma área fisiológica, como o coração ou os pulmões, para então diminuir e vir à tona novamente em outra área. 

“Essa revisão destaca o impacto prejudicial físico e psicológico que a covid contínua está impondo às vidas de muitas pessoas”, disse a dra. Elaine Maxwell, que liderou o estudo. 

Coronavírus prolongado: pessoas se conectaram para compartilhar suas experiências

Para trocar mais informações sobre o coronavírus prolongado, milhares de pessoas em todo o mundo se conectaram por redes sociais e fóruns online para compartilhar suas experiências de sintomas contínuos.

De acordo com o grupo britânico de pacientes LongCovidSOS, dados de um aplicativo rastreador de sintomas desenvolvido pelo King’s College de Londres mostra que 10% dos pacientes de covid-19 continuam doentes por até três semanas, e cerca de 5% podem continuar doente por meses. 

Conforme Maxwell, que apresentou as conclusões do documento “Vivendo com a Covid” em pronunciamento online à imprensa, os serviços de saúde estão tendo dificuldades para administrar esses padrões novos e flutuantes de sintomas e problemas.

Para melhor aprofundamento, ela e seus co-autores pediram que pacientes e médicos anotem e acompanhem os sintomas para que pesquisadores de saúde possam aprender mais sobre a condição e sobre como atenuá-la o mais rápido possível.