Coronavírus

A poucos metros do Paraná, vacinação contra covid-19 começa amanhã na Argentina

Nesta terça-feira (29), moradores de Puerto Iguazú, na fronteira com Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, vão receber a vacina contra covid-19

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
A poucos metros do Paraná, vacinação contra covid-19 começa amanhã na Argentina

28 de dezembro de 2020 - 18:30 - Atualizado em 28 de dezembro de 2020 - 19:12

Nesta terça-feira (29), a Argentina começa a campanha nacional de vacinação contra a covid-19. Segundo o Ministério da Saúde, 300 mil doses da vacina russa da Sputnik V, do laboratório russo Gamaleya, foram distribuídas para as 24 províncias do país, inclusive a província de Misiones, localizada a apenas 480 metros do estado do Paraná.

De acordo com o governo da província de Misiones, a partir de amanhã, 2.250 doses da vacina serão aplicadas em profissionais da saúde de cinco hospitais. Entre eles, o Samic Iguazú, localizado em Puerto Iguazú, cidade que faz fronteira com Foz do Iguaçu, no oeste paranaense. As duas cidades são ligadas pela Ponte Internacional Tancredo Neves, que está fechada desde março por causa da pandemia do novo coronavírus.

Ainda segundo o governo da província, ao longo das próximas semanas, mais doses devem chegar e serão aplicadas em funcionários da segurança pública, professores, idosos e pessoas com comorbidades. Autoridades da saúde de Misiones pretendem vacinar 262 mil pessoas até o início de fevereiro.

Vacinação na Argentina

A Argentina será o 4º país da América Latina a começar a vacinação contra a covid-19 antes do fim de 2020. Será a maior campanha de vacinação da história do país, com 126 mil voluntários distribuídos em 7.749 postos de saúde.

O país foi o primeiro da América Latina a aprovar o uso da vacina russa, a Sputnik V. Em agosto deste ano, o Governo do Paraná chegou a anunciar um acordo com o laboratório russo para importação e produção da vacina no estado, mas até o momento, nada saiu do papel.

Segundo as autoridades russas, a Sputnik V tem uma eficácia de 91,4%, mas não os resultados ainda não foram publicados em revistas científicas. A fase 3 do estudo clínico ainda está na reta final, mas o imunizante já foi aplicado em mais de 700 mil pessoas na Rússia.

Além da Sputnik V, o órgão regulador de alimentos e medicamentos da Argentina (ANMAT) autorizou o uso da vacina contra a covid-19 da Pfizer-BioNTech.

O plano de imunização da Argentina prevê a vacinação de 10 milhões de pessoas até fevereiro, mês em que a vacinação deve começar no Brasil. O novo coronavírus já causou 42.501 mortes na Argentina, até dezembro, e quase 1,6 milhão de casos.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.