Brasil

Coronavírus: condomínios podem fechar áreas comuns para evitar disseminação

Lucas
Lucas Sarzi
Coronavírus: condomínios podem fechar áreas comuns para evitar disseminação
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil.

25 de março de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:50

Que uma das formas de evitar a proliferação do novo coronavírus é ficando em casa, além de lavar as mãos com água e sabão e aumentar a higiene, já sabemos. Mas a proibição do uso das áreas comuns em condomínios também pode ser uma medida adotada para fazer com que o vírus não chegue próximo. Disponibilizar álcool gel e intensificar a limpeza também são medidas recomendadas.

Nos últimos dias, com o fechamento de escolas e o pedido incansável das autoridades de saúde para que as pessoas fiquem em casa, o fluxo nos prédios aumentou. Com isso, cabe aos síndicos a obrigação de restringir algumas atividades, principalmente no que diz respeito a seguir as orientações já conhecidas.

LEIA TAMBÉM: Brasileiros têm medo do novo coronavírus, aponta pesquisa do Datafolha

Conforme o advogado Alexandre Callé, especialista em condomínios que foi consultado pelo jornal Folha de São Paulo, o artigo 1336 do Código Civil justifica medidas restritivas em prol da saúde e segurança dos moradores. “Mesmo uma festa agendada com antecedência, por exemplo, pode ser cancelada”, disse.

É importante que os prédios tomem medidas preventivas até mesmo para evitar aglomeração de pessoas (elevadores, festas em salão de festas e crianças nos parquinhos, por exemplo). E para isso não precisa esperar surgir um caso da doença no condomínio para tomar a decisão. Evitar que surjam casos é a recomendação.

Além de proibir o uso das áreas comuns, como salão de festas e academias, adiar assembleias e outras situações que possam gerar aglomeração, também é importante que os moradores ajudem os síndicos. Caso um morador ou funcionário se contamine, o síndico deve ser avisado imediatamente, pois assim pode comunicar os outros moradores, sem que identifique a pessoa, e intensifique as ações de prevenção.

SE ATUALIZE: Brasil registra 12 mortes em 24 horas e número de infectados chega a 2.201

Ajudar o grupo de risco também é importante e faz com que as pessoas se sintam acolhidas. Assim como surgiram nas redes sociais registros de várias pessoas se prontificando para ajudarem os idosos, por exemplo, isso também pode se tornar uma grande rede de solidariedade entre os moradores.

Dicas de prevenção:

– Disponibilize álcool em gel em áreas de grande circulação (como portaria e saída de elevadores)
– Intensifique a limpeza em corrimão, maçaneta, botão de elevador, superfícies, equipamentos
– Adie assembleias e reuniões presenciais; se não der para adiar, busque uma assembleia virtual
– Feche áreas comuns com grande circulação de pessoas (como parquinho, quadra de esportes, salão de festas, academia e até piscina)
– Orientar os moradores a não receberem visitas e nem fazerem festas em seus apartamentos
– Utilize elevadores sozinho ou com membros de uma mesma família por viagem
– Suspenda grandes obras dentro dos prédios
– Dispense trabalhadores das tarefas ou disponibilize transporte alternativo
– Ao receber entregas, higienize sempre as mãos

Dicas para o síndico:

– Aumente a fiscalização da limpeza
– Conscientizar moradores e funcionários sobre o vírus com avisos pelo condomínio
– Se houver alguém contaminado no prédio, aja imediatamente
– Afaste das atividades funcionários com sintomas

Morador contaminado? Se atente!

– Não saia de casa
– Avise o síndico imediatamente
– Tome todos os cuidados orientados pelo Ministério da Saúde