Notícias

Congresso trabalhará por vacinas mesmo que não seja possível atuar com governo, diz Maia

Reuters
Reuters
Congresso trabalhará por vacinas mesmo que não seja possível atuar com governo, diz Maia
Mulher segura frasco rotulado como de vacina contra Covid-19 em foto de ilustração

7 de dezembro de 2020 - 13:05 - Atualizado em 7 de dezembro de 2020 - 13:05

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – A Câmara dos Deputados e o Senado irão trabalhar em um texto para garantir a compra e distribuição de vacinas contra a Covid-19 para toda a população, mesmo que não seja possível trabalhar com o governo federal, disse nesta segunda-feira o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Maia disse que conversou no domingo com o deputado Professor Luizinho (PT-SP), que coordena o grupo da Câmara responsável por propostas para combate à pandemia, e com o deputado Geninho Zuliani, relator da Medida Provisória sobre acesso a vacinas, e pediu que ambos se reunam essa semana com o Ministério da Saúde para trabalharem em um texto conjunto sobre a distribuição de vacinas no país.

“Precisamos ir ao governo essa semana encontrar um caminho para que a Câmara não tome uma decisão, junto com o Senado, isolada da decisão do governo. Mas nós vamos tomar uma decisão, o STF vai no dia 16 tomar uma decisão, e eu disse ao presidente (Jair Bolsonaro) que seria importante que pudéssemos tomar uma decisão em conjunto”, disse Maia em entrevista à GloboNews.

“A sociedade não quer saber qual é a vacina, quer saber que uma vacina confiável, aprovada pela Anvisa, precisa ser sim comprada pelo governo e distribuída à sociedade.”

O presidente da Câmara disse ainda que o risco de haver falta de vacinas no país ou o atraso na distribuição é hoje o tema mais perigoso para o governo federal, e o presidente “não está vendo”.

“Esse tema talvez seja o mais perigoso para o presidente e ele não está vendo. Pode ser o tema que desorganize muito a base do governo, mais até que a votação de reformas”, disse Maia.

Bolsonaro tem criticado a vacina Coronavac, da empresa chinesa Sinovac e que será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, e fez com que o Ministério da Saúde cancelasse um acordo para compra nacional de doses do medicamento que seria distribuída dentro do Programa Nacional de Imunizações.

O Butantan é ligado ao governo estadual de São Paulo, comandado pelo governador João Doria (PSDB), desafeto político de Bolsonaro.

O plano estratégico federal de vacinação contra a Covid-19, apresentado na semana passada pelo Ministério da Saúde, trabalha basicamente com o imunizante da AstraZeneca/Oxford, que será produzido no Brasil pela Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), fala em começar a vacinação apenas em março e ter um terço da população vacinada até o final do ano.

“O governo vai perder o controle desse assunto na sociedade. As pessoas começam a entrar em desespero, a gente está fazendo pesquisa, está monitorando. Daqui a pouco quem tiver condição vai para o Chile, que comprou da Pfizer, vai para Londres, vai para Portugal, vai para onde tiver que ir. E os brasileiros que não tem condições vão ficar aqui desesperados sem uma vacina”, disse Maia.

O governo federal teria conversado com outras empresas que tem vacinas adiantadas, como a Pfizer e a Moderna, mas o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, classificou a oferta apresentada por elas de “pífia”, mesmo sem dar detalhes.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGB60Z4-BASEIMAGE