Notícias

Comissão da Câmara convida ministro da Defesa para explicar não punição de Pazuello

Reuters
Reuters
Comissão da Câmara convida ministro da Defesa para explicar não punição de Pazuello
Pazuello participa de evento com Bolsonaro no Rio de Janeiro

9 de junho de 2021 - 20:43 - Atualizado em 9 de junho de 2021 - 20:45

BRASÍLIA (Reuters) – Uma comissão da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira um convite para que o ministro da Defesa, Braga Netto, preste esclarecimentos acerca da decisão da cúpula do Exército de não punir o ex-ministro da Saúde e general da ativa Eduardo Pazuello por participar de uma manifestação política com o presidente Jair Bolsonaro, no último dia 23 no Rio de Janeiro.

Inicialmente a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle tinha aprovado uma convocação de Braga Netto –quando a autoridade é obrigada a comparecer–, mas o pedido foi transformado para um convite, quando a presença é facultativa. O Exército é uma das três Forças Armadas subordinadas ao ministro da Defesa.

Na semana passada, o comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, considerou que a presença de Pazuello no ato com Bolsonaro não configurou uma prática de transgressão disciplinar e decidiu arquivar o procedimento administrativo contra o colega, informou nota do Exército.

Pazuello tinha participado, ao lado de Bolsonaro, de evento com apoiadores e chegou a fazer discurso ao microfone. Regulamento disciplinar do Exército considera transgressão a manifestação de militares da ativa a respeito de assuntos de natureza político-partidária.

Em um sinal de tentar blindá-lo, Bolsonaro nomeou Pazuello secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República, semanas após substituí-lo como ministro da Saúde durante uma onda mortal da Covid-19 no Brasil.

O evento com Bolsonaro ocorreu no fim de maio, pouco depois de depoimento do ex-ministro à CPI da Covid do Senado que apura a gestão federal no combate à pandemia, em especial no Amazonas, Estado mais atingido pela doença, além de possíveis irregularidades em repasses de recursos da União a entes federativos. Tanto Pazuello quanto Bolsonaro não utilizavam máscaras de proteção e havia concentração de apoiadores.

(Reportagem de Ricardo Brito)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH581FX-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.