Notícias

“Eles comiam e também davam pros cachorros comerem”, conta delegado sobre churrasco de cães

Quarenta pessoas foram presas e 21 cães resgatados com vida de uma rinha de competições internacionais entre pitbulls

Caroline
Caroline Berticelli / Editora

16 de dezembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 15:04

Os 21 cachorros resgatados com vida de uma rinha de cães na Grande São Paulo, na noite deste sábado (14), eram submetidos a condições extremas de maus-tratos, segundo o delegado Matheus Layola, da Delegacia do Meio Ambiente de Curitiba. (Veja galeria de fotos abaixo)

Em coletiva de imprensa, concedida nesta segunda-feira (16), o delegado responsável pelo caso declarou que a cena encontrada pelos policiais era digna de um filme de terror. “Nunca vi igual, tinha uns 100 policiais, talvez uns 10 ou 20% não se emocionaram, então, a gente via, marmanjo, que a gente fala, chorando ali. A cena era de terror mesmo”, disse Layola. 

Ao chegar na chácara onde ocorria a rinha de cães internacional, a polícia se deparou com animais debilitados, feridos, doentes, com fome e com sede. “A gente ficou revoltado com a situação porque era muita crueldade. Os cachorros estava há dias sem comer, sem beber nada, tanto é que quando a gente deu comida e água eles ficaram desesperados porque eles ficam confinados para ficarem mais nervosos [para os duelos]”.

No local, a polícia encontrou dois animais mortos e um outro, que estava bastante ferido e duelava na arena, morreu após ser resgatado. Os pitbulls foram flagrados em confronto numa arena improvisada: “encontramos um cenário de duelo, cachorro brigando, cachorro já morto, outros machucados, inclusive animal assado. Eles comiam e davam para outros animais comerem”, disse o delegado.

Layola ainda pontuou que um dos animais urinava sangue e chorava de dor. “Uma cena que chocou a gente, era um cachorro de Curitiba, que a gente tava brincando com ele, que ele era extremamente dócil com o ser humano, aí, de repente, ele agachou um pouquinho para urinar e saiu só sangue e ele começou a gritar de dor, a cena muito triste, muito triste mesmo”. 

Churrasco de cachorro

Durante a conversa, Layola explicou que não existem dúvidas de que o churrasco encontrado no local era de carne de cachorro. Conforme ele, assar e comer a carne dos cães fazia parte de uma espécie de ritual dos envolvidos nas lutas de cães. “Os cachorros que eram mortos ali, eles assavam pra eles. Um ritual fora da curva. Eles comiam e também davam pros cachorros comerem”, contou o delegado. 

A carne do animal assada serviria para instigar ainda mais os pitbulls durante a rinha. Diversos materiais foram apreendidos no sítio, entre eles medicamentos. O delegado Jan Plzak explicou que havia “estimulantes, mas tinham outros remédios que eram usados nos animais já feridos. Não porque eram bonzinhos, mas para reabilitá-los para a próxima luta”.

Animas estão em tratamento

Todos os pitbulls resgatados estavam feridos e foram encaminhados para três Organizações Não-Governamentais, onde estão recebendo os cuidados necessários. São elas: Instituto Luisa Mell, Encontrei um Amigo e Pits Ales.

As ONGs foram chamadas para prestar atendimento e auxiliar na remoção dos animais. A ativista Luisa Mell afirmou que “foi uma das piores coisas que já presenciei, davam a carcaça dos mortos para eles comerem. Um cenário horroroso. E olha que estou acostumada, infelizmente. Eles foram mortos de tanto lutar para satisfazer o prazer destes doentes. Era uma coisa muito pavorosa”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Eu não tenho palavras para descrever o horror que vi, a tristeza que senti… assistam os stories. Daqui a pouco todas as informações

Uma publicação compartilhada por Luisa mell (@luisamell) em

A veterinária Marina Passadore revelou que alguns cães têm escoriações, mas cinco estão em estado grave. Um deles corre risco de vida. “Encontraram testosterona que aplicavam nos machos para estimular e aumentar a agressividade. Eles são muito bonzinhos com seres humanos, não morderam ninguém, todo mundo pegou no colo. Mas não deu para colocar um perto do outro que eles se pegam como se fosse a rinha“, contou a veterinária de uma das ONG’s.

Presos

Quarenta e uma pessoas foram presas durante a ação das policias do Paraná e São Paulo. Entre os presos estão um médico, um veterinários, um policial militar e cinco estrangeiros. Todos foram encaminhados para a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e devem responder por associação criminosa, maus-tratos contra animais com agravante de morte e jogo de azar.

médico e o veterinário seriam responsáveis pela reabilitação dos animais feridos para as próximas lutas. Também foram apreendidos troféus e camisetas com a listagem das competições entre os cachorros.

Ainda segundo a polícia, duas crianças, de 12 e 14 anos, estavam no local e foram deixadas para trás pelo próprio pai após a chegada dos policiais. O homem teria a guarda compartilhada dos filhos e alegou para a ex-mulher que iria levá-los para praia. Ele deverá ser enquadrado no crime de abandono de incapaz.

Galeria de fotos:

Cuidado, as imagens podem ser consideradas ofensivas por algumas pessoas.

 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.