Internacionais

Com avanço do Taliban, Exército afegão revisa estratégia de guerra para limitar perdas

Reuters
Reuters
Com avanço do Taliban, Exército afegão revisa estratégia de guerra para limitar perdas
Confronto de forças afegãs contra o Taliban em Kandahar

22 de julho de 2021 - 19:27 - Atualizado em 22 de julho de 2021 - 19:30

Por Phil Stewart e Idrees Ali

CABUL (Reuters) – Em recuperação após uma série de derrotas no campo de batalha, as Forças Armadas do Afeganistão irão revisar sua estratégia de guerra contra o Taliban para concentrar suas forças em torno das áreas mais críticas como Cabul e outras cidades, fronteiras e infraestrutura vital, afirmaram autoridades afegãs e norte-americanas. 

A estratégia arriscada politicamente irá inevitavelmente ceder território para os insurgentes do Taliban. Mas autoridades dizem que isso parece ser uma necessidade militar, enquanto as sobrecarregadas tropas afegãs tentam evitar a perda de capitais de províncias, o que pode fragmentar profundamente o país.

A consolidação das forças, que tem sido reconhecida publicamente mas não havia sido reportada com detalhes antes, coincide com a retirada das tropas norte-americanas antes do término formal da missão militar no próximo dia 31 de agosto, após ordens do presidente norte-americano, Joe Biden. 

Insurgentes do Taliban estão tomando o controle de porções cada vez maiores de territórios, incluindo centros distritais do Afegnistão. O Taliban também pressiona as periferias de metade das capitais de províncias, tentando isolá-las. 

Avaliações de inteligência dos EUA alertam que o governo afegão pode cair em até seis meses, disseram autoridades norte-americanas à Reuters. 

Uma autoridade afegã, falando em condição de anonimato, disse que a “reorientação” das tropas ajudaria Cabul a manter territórios estratégicos e a defender sua infraestrutura, inclusive uma represa que foi construída com a ajuda da Índia e importantes rodovias.

Mas a consolidação das tropas também significa deixar outras áreas sem proteção, uma medida difícil de ser defendida para as comunidades e grupos étnicos que se sentem abandonados ao Taliban.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6L1A9-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.