Clima e Tempo

Ciclone: entenda o que é e como ocorre no Brasil

A passagem do ciclone bomba no Sul do Brasil assustou muitas pessoas, mas esse fenômeno é comum na natureza

Daniele
Daniele Vieira com informações da BBC e Olhar Digital
Ciclone: entenda o que é e como ocorre no Brasil
Reprodução/Pixabay

2 de julho de 2020 - 11:07 - Atualizado em 2 de julho de 2020 - 13:43

A passagem de ventos fortes pela região Sul assustou muita gente, além de ter deixado vários estragos em diferentes cidades. O chamado “ciclone bomba” apesar de ocorrido poucas vezes é um fenômeno comum, principalmente nesta época do ano com as temperaturas baixas. 

Segundo informações do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), essa tempestade extratropical pode durar ainda mais alguns dias. Entenda como esse fenômeno ocorre no Brasil.

Primeiramente, o que é um ciclone?

A instabilidade em algumas áreas pode provocar uma movimentação do ar de forma intensa, em locais com baixa pressão. Quando há formação de nuvens, umidade e tempestades, essa junção se transforma em um ciclone.

Em que forma um sistema rotativo de nuvens, com ventos fortes podendo atingir até 119 km/h. Esse fenômeno pode ocorrer tanto em águas tropicais, como no Brasil, quanto em áreas subtropicais.

Como se formou um ciclone bomba no Brasil

O ciclone passa a receber o nome de “ciclone bomba“, quando a pressão atmosférica em sua formação ocorre de forma rápida demais. Em torno de 24 horas ou menos, quando ocorre uma queda na pressão e os ventos são gerados de forma mais forte.

Devido a essa capacidade de rápida formação, o fenômeno ocorre como a uma explosão de uma bomba, causando destruição em pouco tempo. Por isso, recebe a classificação de ciclone bomba.

Segundo informações da BBC, a formação de um ciclone desta magnitude ocorreu devido ao encontro de duas massas de ar. Uma quente e a outra fria, esse encontro gerou um choque resultando no fenômeno.

“Esse (ciclone bomba) teve uma queda de pressão mais intensa e, além da diferença de temperatura, o gradiente de pressão era muito alto. Existe um ar frio vindo por cima, mais pesado e seco, contra um ar quente de baixo, leve e úmido. O frio cai enquanto o quente quer subir, o que força um movimento no sentido horário que vai aumentando de intensidade conforme as massas se juntam”, afirmou o especialista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) a BBC.

Há probabilidade que possa haver uma repetição desse fenômeno, mas não na mesma intensidade. Segundo especialistas, em maio de 2020 já havia ocorrido um ciclone. Mas, não com uma contraste e pressão tão forte, o que não resultou em tantos estragos como o que ocorreu recentemente no Sul do país.