Notícias

China divulga plano para atingir pico de emissões de carbono antes de 2030

Reuters
Reuters
China divulga plano para atingir pico de emissões de carbono antes de 2030
Mulher usando máscara caminha perto de prédios em meio à poluição em Hebei, na China

26 de outubro de 2021 - 09:15 - Atualizado em 26 de outubro de 2021 - 09:15

XANGAI (Reuters) – A China adotará ações para reduzir o desperdício, promover energias renováveis e reformar sua rede de eletricidade, parte de seu plano para atingir um pico de emissões de carbono antes de 2030, informou o gabinete chinês nesta terça-feira.

O novo plano de ação repete as metas do país de elevar a geração de energia eólica e solar a 1.200 gigawatts até o final da década, construir mais hidrelétricas e usinas nucleares e desenvolver mais os recursos de gás natural.

O documento foi publicado só cinco dias antes das conversas em Glasgow para intensificar a luta global contra a mudança climática. A China deve anunciar suas “contribuições nacionalmente determinadas” atualizadas antes do fim da cúpula.

Observadores do clima estão atentos a sinais de que a China, a maior fonte mundial dos gases de efeito estufa causadores do aquecimento, pode fazer promessas mais ambiciosas antes das conversas de Glasgow, mas o documento desta terça-feira apresentou poucos avanços.

Agora que o país enfrenta blecautes e aumenta a produção de carvão para garantir os suprimentos do inverno, o Conselho Estatal disse que a China acelerará os esforços para montar um sistema novo e mais flexível que permita que novas fontes de energia sejam ampliadas continuamente.

Além de novas fazendas solares e eólicas, novas represas de hidrelétricas também seriam construídas nas porções superiores dos rios Yangtzé, Mekong e Amarelo, e o país também fará mais uso de uma tecnologia nuclear de nova geração, inclusive reatores marítimos de pequena escala, disse o conselho.

A China também agirá para fazer com que setores industriais muito dependentes de energia, como aço, metais não-ferrosos e materiais de construção, melhorem sua eficiência energética e seus índices de reciclagem e usem novas tecnologias plenamente para fazer suas próprias emissões atingirem um pico.

(Por David Stanway)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH9P0RG-BASEIMAGE