Notícias

Cautela em NY leva à queda do Ibovespa diante de temores por covid-19

Estadão
Estadão Conteúdo

26 de junho de 2020 - 11:09 - Atualizado em 26 de junho de 2020 - 11:09

Cautela em relação ao avanço de casos de covid-19 em alguns países, em especial nos EUA, deixa o investidor da B3 propenso a alguma realização de lucros, após os ganhos recentes. Apesar disso, há algumas perspectivas otimistas para a economia interna e externa, que podem ser equilibradas com esse cuidado externo. Com uma agenda mais fraca de indicadores, o sobe-e-desce na B3 não pode ser descartado, ainda que por ora o sinal seja de queda. Por ser o último dia da semana, o investidor tende a optar por se resguardar.

“Como teremos fim de semana, será que alguém vai querer correr risco?”, questiona Luiz Roberto Monteiro, operador da Renascença. “O mercado segue indefinido”, completa. O recuo das bolsas em Nova York ainda ecoa um teste de estresse do setor bancário americano, com limitação do pagamento de dividendos e a suspensão da recompra de ações no terceiro trimestre do ano.

O Fed alertou ontem que os bancos podem perder até US$ 700 bilhões se o pior cenário se concretizar, mas disse que as instituições têm força para suportar os impactos da crise. A medida reforça a preocupação de analistas e investidores quanto a uma segunda onda de covid-19 nos EUA, onde os casos estão aumentando.

Já as bolsas europeias sobem, refletindo a afirmação da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, de que “provavelmente superamos a pior fase” da crise de coronavírus, mas ressaltou que o choque atual é mais grave do que a crise financeira de 2008 e que há um sentimento de cautela em relação à possibilidade de uma segunda onda de infecções pela covid-19.

Vindo de uma semana considerada positiva e “inédita” por muitos após a aprovação do marco de saneamento básico, cujo avanço é visto como chance para que o País galgue rumo ao avanço das reformas, uma possível realização não seria de todo ruim. “Foi um raro momento. Foi uma vitória importante de articulação, e isso pode fazer com que o índice ande mais, mirando de novo os 100 mil pontos, mas não hoje”, diz Eduardo Guimarães, especialista em ações da Levante Ideias de Investimentos.

Somado a isso, a postura de se resguardar e o tom mais moderado adotado durante “live” ontem pelo presidente Jair Bolsonaro podem ser um sinal considerável no sentindo de ampliar o debate acerca da agenda reformista. “Fica a esperança em relação a isso, é um ventinho, mas claro que fica a cautela”, pondera Guimarães.

“Pode dar uma tranquilizada nos mercados, uma preocupação a menos”, diz um fonte, contudo, ponderando que a política segue no radar. Hoje, por exemplo, a revista Veja notícia que o advogado Frederick Wassef afirmou ofereceu abrigo a Fabrício Queiroz em três imóveis seus, entre eles o de Atibaia (SP), onde o ex-assessor parlamentar do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi preso na semana passada. Segundo ele, a medida seria uma tentativa de “proteger” a família Bolsonaro.

No âmbito corporativo, nem mesmo a desistência de aumento de 4,6% para 7,6% na alíquota da Cofins cobrada de instituições financeiras, exceto cooperativas de crédito e bancos controlados por elas, anima. As ações do setor financeiro caem na Bolsa, com perda máxima de 2%. Já o destaque de alta (5,87%) são as ações da IRB Brasil Re. A empresa anunciou nesta manhã a conclusão da investigação interna que identificou supostas fraudes praticadas pela antiga diretoria.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.