Curiosidades

Descoberta de ‘catacumba’ atrasa obra, mas entra para registros de Curitiba; veja fotos

O prefeito Rafael Greca viu na descoberta da galeria uma viagem no tempo. “E ao fundo da terra, nas entranhas de Curitiba. Uma catacumba, quase romana, para chamarmos de nossa”, disse.

Lucas
Lucas Sarzi Com informações da prefeitura de Curitiba
Descoberta de ‘catacumba’ atrasa obra, mas entra para registros de Curitiba; veja fotos
Foto: Hully Paiva/SMCS.

21 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:45

Trabalhadores que atuam nos serviços de pavimentação da Rua Coronel Dulcídio foram surpreendidos com um achado da década de 30. A antiga galeria do Rio Ivo, no trecho entre a Rua Gutemberg e a Avenida Vicente Machado, cedeu e apareceu, na semana passada, já desgastada pelo tempo. A ‘catacumba‘ repercutiu nas redes sociais do prefeito Rafael Greca, que explicou mais sobre o achado.

A requalificação de 670 metros de pavimento da Rua Coronel Dulcídio, entre as ruas Benjamim Lins e Doutor Carlos de Carvalho, no Batel, começou no dia 13 deste mês. Quando o trabalho da fresagem do piso, que retira a camada de asfalto danificada, se aproximou do ponto por onde passa a galeria, uma pequena porção do piso ruiu perto do meio-fio. Na escavação para investigar a causa do problema, foi descoberta a velha galeria.

buraco-coronel-dulcidio-curitiba

“Pena que não dá para deixar aberto”, disse prefeito Rafael Greca, ao postar a imagem. Foto: Reprodução/Instagram.

Galeria encontrada é do processo de urbanização do Batel

Através das redes sociais, o prefeito Rafael Greca explicou que a galeria foi construída durante o processo de urbanização do bairro Batel, por volta de 1930. “O tempo seco, carente da umidade típica de Curitiba, fez ruir os contrafortes de argila expandida, de uma velha galeria de canalização do Rio Ivo”, apontou Greca.

O prefeito lamentou que não pudesse deixar o canal aberto para sempre e deu mais detalhes da antiga estrutura. “A edificação à moda das ruínas romanas, os contrafortes em alvenaria de pedra, a colossal abóboda em tijolos maciços, tudo resistindo há quase um século. Pena que não dá para deixar aberta para sempre”, disse.

Segundo o prefeito, em dez dias ficará pronta a restauração, “agora também com recursos de moderno concreto ciclópico. Logo, sobrevirão chuvas abundantes e o velho Rio Ivo voltará ao seu curso, para alimentar o caudal do Belém, artéria vital da nossa cidade amada”, concluiu Greca, que compartilhou as fotos para mostrar às pessoas o que entendeu como uma viagem no tempo. “E ao fundo da terra, nas entranhas de Curitiba. Uma catacumba, quase romana, para chamarmos de nossa”.

View this post on Instagram

#CatacumbaDeCuritiba Uma antiga obra de Engenharia, de repente, apareceu no meio da rua Coronel Dulcídio, entre a Água Verde, o Batel e o Bigorrilho. O tempo seco, carente da umidade típica de Curitiba, fez ruir os contrafortes de argila expandida, de uma velha galeria de canalização do rio Ivo. Desde 1930, obra da nossa Prefeitura. Remonta aos anos em que faziam a urbanização do tradicional bairro do Batel. Entramos lá esta semana, para conferir a edificação à moda das ruínas romanas, os contrafortes em alvenaria de pedra , a colossal abóboda em tijolos maciços, tudo resistindo há quase um século. Pena que não dá para deixar aberta para sempre. Em 10 dias fica pronta a restauração, agora também com recursos de moderno concreto ciclópico. Logo, sobrevirão chuvas abundantes, e o velho rio Ivo voltará ao seu curso, para alimentar o caudal do Belém, artéria vital da nossa Cidade amada. Compartilho esta viagem no tempo e ao fundo da terra, nas entranhas de Curitiba. Uma catacumba, quase romana, para chamarmos de nossa. #VivaCuritiba

A post shared by Rafael Greca de Macedo (@rafaelgrecaoficial) on

Obra vai demorar um pouco mais por causa da descoberta

Por causa do achado, o Departamento de Pontes e Drenagem começou uma intervenção para substituir a antiga estrutura. Isso deve atrasar um pouco o processo da obra, mas não muito. Como disse o prefeito, os serviços devem durar cerca de dez dias e, em seguida, deve ser concluída também a obra de pavimentação.

De acordo com o secretário municipal de Obras Públicas, Rodrigo Rodrigues, a galeria do Rio Ivo será reforçada para aguentar o peso dos veículos que passam sobre ela ao trafegarem pela Rua Coronel Dulcídio. “O local foi aberto e a pista bloqueada. As pessoas devem fazer o desvio pela Rua Gutemberg ou, se puderem, mudar de rota. Vamos construir aqui uma caixa de passagem de concreto e implantar a nova tubulação”, disse Rodrigues.

buraco-coronel-dulcidio-curitiba-Foto-HullyPaivaSMCS 2

Foto: Hully Paiva/SMCS