Notícias

Caso Daniel: jogador escutou a própria sentença de morte no porta-malas

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

21 de novembro de 2018 - 00:00 - Atualizado em 21 de novembro de 2018 - 00:00

O jogador Daniel foi assassinado no final de outubro (Foto: Reprodução/Twitter)

Amadeu Trevisan, delegado de São José dos Pinhais, encerrou o inquérito policial nesta quarta (21); os sete suspeitos presos foram indiciados

O delegado da Polícia Civil, Amadeu Trevisan, responsável pelas investigações sobre a morte do jogador Daniel Corrêa encerrou o inquérito policial nesta quarta-feira (21). Sete suspeitos que já estão presos foram indiciados por crimes diferentes. O documento foi entregue ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), que tem até cinco dias corridos para analisá-lo e apresentar a denúncia à Justiça ou pedir novas diligências para a polícia.

Segundo o promotor que acompanha o caso, João Milton Salles, novas prisões de pessoas que participaram da festa de Allana Brittes ainda podem ocorrer. Ele também explicou que,  por enquanto, o processo seguirá em sigilo, pois existem medidas cautelares que precisam ser cumpridas. “Chegando o inquérito policial para mim e pelo o que eu já conheço do inquérito, se nesse percurso não tiver nada – porque nós fomos surpreendidos com várias questões novas nessas duas semanas – se nesse momento não tiver nada que surpreenda, certamente a denúncia até o final de semana estará apresentada”,  completou o promotor sobre a denúncia. 

Daniel morreu aos poucos

Fotos tiradas pelo jogador Daniel e enviadas para amigos pouco tempo antes do assassinato. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Para o delegado Trevisan, o fato de todos os envolvidos terem feito uso excessivo de bebidas alcoólicas ajudou nas escolhas erradas. “Eu acredito mais que tudo isso foi reação de todos eles estarem totalmente embriagados, a mulher dormia embriagada, o Daniel estava embriagado, todos eles passaram uma noite acordados bebendo. Eu acho que tudo isso ai foi resultado do excesso de bebida. O excesso de bebida potencializa essa vontade criminosa”, explicou o delegado nesta quarta (21).

Daniel morreu aos poucos, ele começa apanhando no quarto, onde o Edison é ajudado pelos três demais. Ele apanha na calçada. Quando eu falo apanha é bastante tortura, tanto é que ele se afoga no sangue, quando ele está sendo conduzido para o carro. Ele passa ali de dentro do carro, eles levam mais ou menos uma hora para chegar até o local onde ele foi esgorjado e onde ele foi decepado”, falou Trevisan sobre a gravidade do crime. “Deve ser muito difícil a pessoa ouvir a própria sentença de morte, né. Porque o Daniel ouviu. Ele com certeza, quando colocaram ele no veículo, no porta-malas, ele escutou quando o Edison falou que ele ia capar e ia matar e ia dar um fim nele”. 

Veja imagens marcantes da investigação do crime

Delegado diz que é Brittes é um psicopata

Sobre Edison Brittes, o delegado fez questão de ressaltar que ele é um homem extremamente violento. “Ele é um psicopata, ele é doente. Agir dessa forma, com essa frieza, com essa ausência de remorso, tanto é que ele mata, ele volta para casa, ele manda limpar a casa e ainda pede que façam comida, que façam um strogonoff para ele. E ele consegue se alimentar depois de tudo que ele praticou”.

Edison Brittes explica à polícia como foi o assassinato do jogador Daniel. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Investigações sobre o assassinato do jogador Daniel

As investigações foram concluídas depois de 25 dias de investigações e vinte e uma pessoas ouvidas. Sete suspeitos continuam presos, entre elas Edison, Cristiana e Allana Brittes. Eles cumprem prisão temporária, com prazo determinado. A partir de agora, é o Ministério Público que irá decidir se as prisões serão prorrogadas ou convertidas em preventivas (sem prazo determinado para acabar).

De acordo com o delegado, o inquérito, que tem mais de 370 páginas, reúne relatórios policiais, informações de diligências, mídias e laudos periciais solicitados durante o período de investigação.  O MP também deve pedir à Justiça, junto ao oferecimento da denúncia, a quebra do sigilo telefônico dos envolvidos na morte do jogador Daniel.  

Em entrevista coletiva, o delegado confirmou o indiciamento de cada um dos suspeitos. As penas somadas ultrapassam 40 anos de reclusão.

Confira quem foram os indiciados pela morte: 

Edison Brittes – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

Eduardo da Silva – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

Ygor King – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

David Willian da Silva – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

Cristiana Brittes – coação de testemunha e fraude processual;

Allana Brittes – coação de testemunha e fraude processual;

Eduardo Purkote – lesões graves.

Indiciados no caso do jogador Daniel Correa. (Infográfico: Luana Silvério/RIC)

Relembre o caso Daniel

Local onde o corpo do jogador Daniel foi encontrado. (Foto: Reprodução/RICTV)

O corpo do jogador Daniel Corrêa Freitas, de 24 anos, foi localizado no dia 27 de outubro de 2018, na Colônia Mergulhão, na zona rural de São José dos Pinhais, depois que um morador da região viu marcas de sangue no chão em uma estrada e seguiu o rastro até o corpo do jovem. Ele estava vestido apenas com uma camiseta, com sinais de tortura, com o pênis decepado e com cortes profundos no pescoço, a ponto de quase ter sido degolado. 

Daniel, que jogou pelo Coritiba em 2017, teria aproveitado o fim de semana para visitar amigos na capital do Paraná e participar da festa de 18 anos de Allana.

Em 2017, Daniel participou do aniversário de 17 anos de Allana. (Foto: Reprodução/Rede Social)

No dia 31 de outubro, quatro dias após o crime, a primeira pessoa envolvida com o assassinato foi presa. Cristiana Brittes foi detida pela polícia enquanto estava a caminho do escritório de um advogado. No dia seguinte, 30 de outubro, Edison Brittes e Alanna Brittes se apresentaram na Delegacia da Polícia Civil em São José dos Pinhais. A polícia chegou até eles depois que uma testemunha-chave contou tudo o que sabia sobre o caso. Essa pessoa esteve na casa onde Daniel foi espancado e de onde foi levado, dentro do porta-malas de um veículo, para o local onde foi morto.

Testemunha que denunciou Edison Brittes está sendo ameaçada de morte

Na sequência foram presos David Willian da Silva, Ygor King e Eduardo Henrique da Silva. Os três agrediram o jogador dentro da residência dos Brittes e auxiliaram no assassinato. Em depoimento, todos afirmaram que não ajudaram a assassinar Daniel, mas que seguiram junto com Edison no veículo até a Colônia Mergulhão.

Durante as investigações, os detalhes dos depoimentos chocaram até os policiais acostumados com crimes: Eduardo revelou que Edison já saiu da casa com a intenção de extirpar o órgão sexual  do jogador e que ele começou a cortar o pescoço da vítima logo que chegaram na estrada rural. David também contou detalhes perturbadores, ele admitiu que comprou roupas para Edison trocar as que usava quando assassinou Daniel e que chegou a ouvir o jogador engasgando com o próprio sangue enquanto era degolado.

Edison confessou o assassinato e disse que fez tudo porque Daniel tentou estuprar sua mulher. Para o delegado Trevisan, a tentativa de estupro nunca aconteceu. “Nós não acreditamos nessa hipótese de estupro. Não tem como provar. Acreditamos apenas que o rapaz tenha deitado ao lado dela [mulher de Edison], tenha tirado fotografia e tenha dito que tinha estuprado apenas para aparecer para os amigos. Enfim, coisa de pessoa imatura apenas. […] Acreditamos que tenha sido um momento de imaturidade de Daniel acompanhado de um gesto desproporcional”, afirmou ainda durante a entrevista ainda durante as investigações. No entanto, Trevisan confirma que a motivação do assassinato de Daniel foi ele ter sido flagrado por Edison, no quarto do casal Brittes, na cama com Cristiana. 

Eduardo Purkote Chiurrato foi preso apenas depois que a polícia colheu os depoimentos de todos os suspeitos e testemunhas. Ele acabou detido porque aparece na versão de alguns deles como um dos agressores, dentro da casa dos Birttes, de Daniel.

Após o assassinato, Allana postou uma foto com Daniel em sua rede social com uma mensagem de luto e também entrou em contato com a mãe do jogador, Eliane Corrêa, e mentiu sobre o que teria ocorrido durante a pós-festa em sua casa. Além disso, o próprio Edison chegou a ligar para Eliane para dar os pêsames e oferecer auxílio.

Parte da conversa entre a mãe do jogador Daniel e Allana Brittes. (Imagens: Reprodução/WhatsApp)

A família Brittes também chegou a se reunir, em um shopping de São José dos Pinhais, com testemunhas que estavam na residência para combinar uma versão para o dia do crime. As imagens, gravadas por câmeras de segurança do local, mostram o encontro que ocorreu no dia 29 de outubro – dois dias depois do assassinato de Daniel. 

Cristiana Brittes: Justiça nega pedido de soltura para esposa de Edison

Edison, Cristiana e Allana se reuniram para coagir testemunhas após morte do jogador Daniel (Foto: Reprodução/Câmera de Segurança)
Assista ao vídeo sobre a conclusão do inquérito do caso do jogador Daniel:

Daniel Santos, repórter da RICTV Curitiba, conta todos os detalhes.

*Com informações de Giulianne Kuiava e Daniel Santos da RIC TV Record

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.