Notícias

Casal aplica golpe e fatura mais de R$ 2 milhões, em Curitiba

Vítimas acusam a dupla de vender falsas cartas de consórcio contempladas

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações de Nader Khalil, da RIC Record TV de Guarapuava
Casal aplica golpe e fatura mais de R$ 2 milhões, em Curitiba
(Foto: Reprodução/RIC Record TV)

19 de maio de 2021 - 16:04 - Atualizado em 19 de maio de 2021 - 16:05

O casal André Luis Fernandes e Lailse Fernandes, são acusados de vender cartas de consórcio contempladas falsas, em Curitiba. Os documentos eram oferecidos pelas redes sociais e em cartazes fixados em murais de empresas e anúncios. A dupla negociava valores e condições bastante atrativas com as vítimas. Porém, as cartas de crédito nunca foram entregues

Segundo levantamento feito pela Polícia Civil de Curitiba, eles aplicaram o golpe em, pelo menos, 50 vítimas e arrecadaram um valor que ultrapassa os R$ 2 milhões, nos últimos sete anos. 

Kedelei Santi, uma das vítimas do golpista, afirma que Lailse desapareceu após receber o depósito de R$ 19 mil que serviria de entrada na compra de duas cartas de consórcio contempladas. 

Em entrevista ao Balanço Geral Curitiba, Pedro Tracz contou que ele e sua esposa, já haviam realizado uma primeira compra na empresa do casal. Na ocasião, adquiriram uma casa e não tiveram problema. Segundo eles, em 30 dias a casa estava no nome de Tracz. Contudo, em uma segunda oportunidade, investiram R$ 170 mil e também acabaram lesados.

“Em 30 dias eu estava com a casa em nosso nome, tudo certinho. Mas a gente foi descobrir que ela estava passando por dificuldades e acabou fazendo isso aí. Acabou enrolando todas essas pessoas e a gente também.”

Pedro Tracz, vítima.

Diversas vítimas acionaram a justiça e o casal acabou condenado a restituir os valores adquiridos, além de indenização. Contudo, a dupla, que atendia em um escritório na R. Desembargador Hugo Simas, no bairro Bom Retiro, desapareceu após alguns anos de cobrança. Além de André e Lailse, foram processadas as empresas Safe Tecnologia, Cotas Serviços Administrativos e L Fernandes Gestão e Vendas Ltda., todas administradas pelo casal e utilizadas para realizar as vendas.

Em mensagem de áudio enviada a uma das vítimas, Lailse, já condenada pela justiça, alega estar passando por dificuldades financeiras, diz não ser bandida e afirma que vai devolver o dinheiro

A reportagem da RIC Record TV tentou contato através dos supostos telefones do casal, porém os números estão desligados. A advogada que defendia a dupla nos processos disse que não trabalhava mais com os dois e que eles teriam se mudado para São Paulo.

Segundo as vítimas, o casal está residindo em Nova Tebas, no interior do Paraná, onde a família de Lailse teria muitas posses.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.