Notícias

Câmara conclui votação da PEC Emergencial, que deve ser promulgada sem voltar ao Senado

Reuters
Reuters
Câmara conclui votação da PEC Emergencial, que deve ser promulgada sem voltar ao Senado
Vista aérea do Congresso Nacional em Brasília

12 de março de 2021 - 10:03 - Atualizado em 12 de março de 2021 - 10:05

(Reuters) – A Câmara dos Deputados concluiu na madrugada desta sexta-feira a votação da PEC Emergencial, e uma análise da consultoria da Casa deve recomendar a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sem a necessidade de retorno ao Senado.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou em entrevista à TV Câmara que entende como possível a promulgação rápida da PEC, já que as mudanças promovidas no texto trataram-se de supressões, e não nova redação a dispositivos.

“Era normal que tivéssemos pequenas alterações que não influenciarão, do ponto de vista da assessoria, da consultoria da Casa, em ter que retornar ao Senado. A nossa posição é de promulgação”, disse.

“Deveremos ouvir também o Senado, a sua assessoria técnica”, acrescentou.

O plenário da Câmara aprovou na quinta-feira dois destaques surgidos de acordo entre partidos da base aliada e o governo, tirando da PEC a proibição de promoção funcional ou progressão de carreira de qualquer servidor ou empregado público.

A retirada desses trechos da PEC foi autorizada pelo governo mediante acordo para evitar a aprovação de um outro destaque que tentava suprimir todos os gatilhos relacionados ao funcionalismo público, incluindo a vedação à concessão de reajustes.

A PEC estabelece condições para a concessão do auxílio emergencial aos vulneráveis atingidos pela pandemia de Covid-19 em um montante de até de 44 bilhões de reais por fora das regras fiscais em 2021, e também traz gatilhos a serem acionados para conter despesas públicas.

Mas críticos à medida afirmam que ela se aproveita do momento de necessidade da renda assistencial temporária, gerado pela pandemia, para a concretização de medidas de ajuste fiscal de longo prazo.

Lira comemorou a aprovação da PEC, classificando-a como “uma sinalização muito forte de que daqui para frente o Brasil vai estar atento a conter as suas despesas, a se programar, a ter previsibilidade, principalmente nessa questão dos gastos”.

Lira acrescentou, ainda, que concluída a análise da PEC, a Câmara irá se dedicar a outros temas. O deputado confirmou expectativa de votação do projeto da Lei do Gás na próxima semana.

Também citou as reformas tributária e administrativa como temas que serão destravadas, assim como a privatização da Eletrobras e dos Correios.

No caso da reforma tributária, Lira disse que conversará com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para acertar um calendário, já que a proposta deve começar formalmente sua tramitação pelo Senado.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro, e Maria Carolina Marcello, em Brasília)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2B0RH-BASEIMAGE