Notícias

Cães da rinha de SP: diagnósticos indicam uso de anabolizantes nos pitbulls

Das quarenta e uma pessoas presas, 40 foram liberadas após o pagamento de fiança

Lais
Lais Andrade da equipe de estágio RIC Mais, sob supervisão de Caroline Berticelli. Com informações do R7

17 de dezembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 17 de dezembro de 2019 - 00:00

Exames médicos realizados no cães da rinha resgatados de Mairiporã, na Grande São Paulo, apontam uso de anabolizantes nos animais. Segundo especialista, os resultados são muito ruins, confira!

Testosterona era aplicada para estimular agressividade nos pitbulls machos

“Os resultados estão péssimos, eles apresentam aumento de enzimas hepáticas, o que indica que as alterações foram causadas pelo uso indiscriminado de anabolizantes e testosterona”, afirma a veterinária do Instituto Luisa Mell, Marina Passadore.

De acordo com a veterinária, os cães da rinha estão estáveis e apresentam escoriações. Ainda, descobriu-se que a testosterona que aplicavam nos machos servia para estimular e aumentar a agressividade dos pitbulls.

“Eles são muito bonzinhos, não morderam ninguém, todo mundo pegou no colo, mas não dá para colocar um perto do outro que eles se pegam como se fosse a rinha”, contou a médica da ONG, falando do relacionamento dos cães com humanos.

Cães da rinha eram tratados com remédios para reabilitá-los na próxima luta

No sítio, a polícia encontrou dois animais mortos e um outro, que estava bastante ferido e duelava na arena, morreu após ser resgatado. O delegado Jan Plzak explicou que havia no local “estimulantes, mas tinham outros remédios que eram usados nos animais já feridos. Não porque eram bonzinhos, mas para reabilitá-los para a próxima luta”.

Os pitbulls resgatados no sítio onde ocorria uma rinha internacional de cães estão feridos e recebem cuidados em três ONGs:

  • Instituto Luisa Mell;
  • Encontrei um Amigo;
  • Pits Ales.

Depois de receber os cuidados médicos, os pitbulls vão ter ainda de passar por exames, castração e só então será possível analisar se eles estão prontos para a reinserção e convívio com o ser humano.

Quarenta homens envolvidos foram liberados após pagamento de fiança

Na operação, quarenta e uma pessoas foram presas, entre elas um policial militar, um médico e um veterinário. Mas, a Justiça de Guarulhos liberou nesta segunda-feira (16), após audiência de custódia, 40 homens mediante pagamento de fiança que varia entre 2 e 60 salários mínimos. Apenas o acusado de organizar o evento teve a prisão preventiva decretada.

“Nada há a indicar que em liberdade eles (suspeitos) possam colocar em risco a ordem pública, prejudicar o normal desenvolvimento de futura ação penal ou frustrar a aplicação de eventual sanção”, afirmou o juiz André Luiz da Silva da Cunha, de acordo com a sua decisão.

Por essa razão, o juiz não converteu as prisões em flagrante em preventiva.