Tecnologia

A burocracia nos contratos acabou: a nova tecnologia de automação traz um um novo conceito para os contratos e ainda protege a natureza

Carol
Carol Machado
A burocracia nos contratos acabou: a nova tecnologia de automação traz um um novo conceito para os contratos e ainda protege a natureza
Foto: Divulgação

30 de agosto de 2019 - 00:00 - Atualizado em 30 de agosto de 2019 - 00:00

Ao falarmos de inovação jurídica, muitos advogados torcem o nariz e não conseguem visualizar o impacto positivo que ela pode causar em suas vidas. Não se trata de extinguir a figura do advogado, mas sim de auxiliá-lo no dia a dia eliminando burocracias e ineficiências operacionais.

A Contraktor surgiu com o intuito de simplificar essas rotinas burocráticas através da transformação digital do ciclo de vida de contratos. Uma gestão de contratos unificada e digital que resulta em economia de tempo, de gastos, centralização das informações e aumento de produtividade.

Não faz mais sentido ignorar a tecnologia e ficar na dependência de fatores como logística de transportes (correios, motoboys), tempo (clima), datas (feriados, outros) e outras partes envolvidas para envio de um contrato. Sem falar na coleta manual de assinatura de mesa em mesa ou o uso de ferramentas ineficientes como planilhas e post-its. A automação de contratos surgiu para eliminar todo esse cenário caótico e resolver tudo isso com poucos cliques. Atrasos e extravios de documentos, viram peça de museu nessa nova realidade.

E como a Contraktor funciona? Somos uma ferramenta de gestão de contratos digital e 100% segura. É possível elaborar um contrato do zero, enviar para assinatura via e-mail, criar tarefas e acompanhar todas as atividades e prazos de maneira fácil e intuitiva em qualquer dispositivo. A segurança das assinaturas é garantida por criptografia e hash de segurança (substituindo autenticação em cartório) e o acesso aos documento é confidencial, com permissões e acessos restritos.

Mas, o impacto não se limita a área jurídica. O meio ambiente é uma das partes mais impactadas com a digitalização. Ao dispensar a necessidade de impressão de papel, geramos um impacto muito positivo para a natureza. Para se ter uma ideia, de acordo com órgãos de proteção florestal, são necessárias 11 árvores de eucalipto para fabricar uma tonelada de papel e cada brasileiro utiliza, em média, 44 kg de papel por ano. Ou seja, cada pessoa consome meia árvore por ano.

Se levarmos para o ambiente empresarial, começamos a verificar a gravidade deste cenário. Se somarmos o consumo de papel básico de uma pessoa mais o advindo das operações da empresa, podemos dizer que uma empresa “não digital” de até 50 funcionários derruba até 50 árvores por ano.

A Contraktor acredita que a “digitalização” das empresas vai gerar um impacto avassalador e muito positivo na economia do país e no planeta.