Brasil

Menor é chamado para usar drogas mas acaba torturado: ele precisou fingir de morto para sobreviver

As agressões aconteceram durante uma abordagem de membros do Comando Vermelho

Aline
Aline Taveira / Produtora com informações do RDNews
Menor é chamado para usar drogas mas acaba torturado: ele precisou fingir de morto para sobreviver
(Foto: Reprodução)

11 de junho de 2021 - 11:34 - Atualizado em 11 de junho de 2021 - 11:44

Um jovem de 15 anos foi vítima de “salve”, uma espécie de abordagem violenta, de membros do Comando Vermelho, em Comodoro, Mato Grosso, na noite desta quinta-feira (10). Durante a tortura, ele foi agredido, esfaqueado e precisou fingir que estava morto para que os suspeitos fossem embora. Ele foi socorrido e segue internado.

Três jovens foram presos suspeitos do crime, dois de 18 anos e um de 17. Segundo informações do boletim de ocorrência, a mãe da vítima acionou a Polícia Militar e informou a tentativa de homicídio. O menor foi socorrido pelos familiares e levado para um hospital da cidade. 

A vítima contou aos militares que foi chamada para consumir drogas com os suspeitos mas, quando chegaram no local, foi surpreendido e rendido por três rapazes e levado para dentro de um matagal, onde foi espancado e esfaqueado

Segundo ele, os agressores falavam que estavam ali para cumprir ordens da facção, que eram de ver o jovem morto. De acordo com o RDNews, a suspeita é de que ele traficava sem repassar o lucro aos chefes da boca. 

Após a agressão, ele foi esfaqueado ao menos três vezes, sendo duas no pescoço e uma no braço. Os agressores só fugiram quando a vítima fingiu que tinha morrido. Foi então que o jovem conseguiu ir até a casa da família e pedir ajuda.

Os suspeitos foram apreendidos em flagrante e o caso é investigado pela Polícia Civil.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.