Brasil

Desemprego no Brasil atinge 14 milhões de pessoas em setembro

Também aumentou o número pessoas que não tomaram qualquer medida de restrição para evitar o contágio pelo novo coronavírus

Renata
Renata Nicolli Nasrala / Editora com informações da Agência Brasil
Desemprego no Brasil atinge 14 milhões de pessoas em setembro

16 de outubro de 2020 - 10:23 - Atualizado em 16 de outubro de 2020 - 10:24

O número de desemprego no Brasil chegou a 14 milhões de pessoas na quarta semana de setembro, ficando estatisticamente estável em relação à semana anterior (13,3 milhões).

De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgada nesta sexta-feira (16), a taxa de desocupação (14,4%) ficou estável em relação à semana anterior (13,7%), e cresceu frente à primeira semana de maio (10,5%), quando o levantamento foi iniciado.

Desemprego no Brasil: mais pessoas estão pressionando o mercado em busca de trabalho

De acordo com Maria Lucia Vieira, coordenadora da pesquisa, tudo indica que mais pessoas estejam pressionando o mercado em busca de trabalho por conta da flexibilização.

“Embora as informações sobre a desocupação tenham ficado estáveis na comparação semanal, elas sugerem que mais pessoas estejam pressionando o mercado em busca de trabalho em meio à flexibilização das medidas de distanciamento social e à retomada das atividades econômicas”.

Ainda conforme os dados divulgados pelo IBGE, a população ocupada ficou em 83 milhões, estatisticamente estável na comparação com a terceira semana de setembro.

“Vínhamos observando, nas últimas quatro semanas, variações positivas, embora não significativas da população ocupada. Na quarta semana de setembro a variação foi negativa, mas sem qualquer efeito na taxa de desocupação”, afirmou a pesquisadora.

Flexibilização do distanciamento

Maria Lucia também destacou que a flexibilização das pessoas quanto ao distanciamento social continuou aumentando no fim de setembro. O grupo de pessoas que ficou rigorosamente isolado (31,6 milhões) diminuiu em 2,2 milhões na comparação com a semana anterior.

Além disso, também aumentou o número pessoas que não tomaram qualquer medida de restrição para evitar o contágio pelo novo coronavírus. Esse contingente cresceu 937 mil em uma semana, chegando a 7,4 milhões. 

Segundo o IBGE, a maior parte da população (86,7 milhões) afirmou ter reduzido o contato com outras pessoas, mas continuou saindo de casa ou recebendo visitas na quarta semana de setembro, 1 milhão a mais na comparação com a semana anterior. Quem ficou em casa e só saiu em caso de necessidade somou 84,6 milhões, ficando praticamente estável em relação à semana anterior.

Estudantes

A pesquisa ainda mostrou que na quarta semana de setembro, 39,2 milhões (85%) dos 46,1 milhões de estudantes que estavam matriculados em escolas e universidades tiveram alguma atividade. Outros 6,4 milhões (13,9%) não tiveram atividade. O restante estava de férias (1,1%).