Notícias

Bolsonaro indica que tomará novamente cloroquina se for reinfectado por Covid

Reuters
Reuters
Bolsonaro indica que tomará novamente cloroquina se for reinfectado por Covid
Presidente Jair Bolsonaro segura caixa de cloroquina em cerimônia do Palácio do Planalto

25 de março de 2021 - 20:42 - Atualizado em 25 de março de 2021 - 20:45

Por Pedro Fonseca

(Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro usou sua live semanal nesta quinta-feira para indicar que se for reinfectado com o coronavírus vai tomar mais uma vez a cloroquina, remédio sem eficácia comprovada contra a Covid-19, num momento em que o governo tem um novo ministro da Saúde que defende a importância da ciência no combate à pandemia.

Em uma live atípica por ser mais curta que nos últimos meses, Bolsonaro adotou um tom mais moderado do o que o de costume e tossiu seguidas vezes.

O presidente tem sido duramente criticado pelo Congresso e a sociedade pela falta de ação e os erros do governo federal no enfrentamento à pandemia, uma vez em que o Brasil atravessa sua pior crise, com mais de 2.000 mortes por dia em média.

A insistente defesa de Bolsonaro pelo uso de medicamentos sem comprovação científica, como a cloroquina e a ivermectina, em vez de buscar desde o início as vacinas, é um dos motivos de ataque ao presidente, que recentemente parou de nomear os medicamentos após uma decisão judicial que impediu o governo de promover qualquer tratamento sem embasamento científico.

Em uma live de apenas 20 minutos, ao contrário de transmissões anteriores superiores a 1 hora, Bolsonaro fez apenas uma defesa discreta dos medicamentos, sem citá-los, dizendo que voltará a tomá-los caso seja reinfectado.

“Não tem um medicamento certo para isso ainda de forma clara, não existe medicamento para isso, mas o médico tem alternativas e pode salvar a sua vida com essa alternativa”, disse o presidente.

“Se eu, por ventura, for reinfectado, eu já tenho meu médico e já sei o que ele vai receitar para mim, o que me salvou lá atrás”, acrescentou o presidente, que fez uma forte defesa da hidroxicloroquina quando contraiu a Covid-19 no ano passado.

Anteriormente, Bolsonaro costumava alegar que já tinha sido infectado pela doença quanto questionado porque não usava máscara e não mantinha distanciamento social, mas ultimamente o presidente passou a usar máscaras, em uma mudança de posicionamento em meio ao aumento das críticas.

A mudança nesse comportamento do presidente coincide também com a chegada do novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que tem defendido a importância da ciência no combate à pandemia, incluindo pontos básicos e simples como, justamente, o uso de máscaras.

Na véspera, em sua primeira entrevista coletiva, Queiroga afirmou que o Brasil tem que “olhar para frente” e buscar o que existe de comprovado, ao ser questionado a respeito do uso da cloroquina.

Na segunda-feira, a Associação Médica Brasileira (AMB) afirmou que a utilização dos medicamentos hidroxicloroquina/cloroquina, ivermectina, nitazoxanida, azitromicina e colchicina deve ser banida do combate à pandemia, destacando que esses remédios não possuem eficácia científica comprovada no tratamento ou prevenção da Covid-19.

LOCKDOWN E VACINAS

Mesmo em tom mais moderado do que em outras transmissões nas redes sociais, o presidente voltou a criticar nesta quinta as medidas de restrição adotadas por prefeitos e governadores para conter a Covid-19 no pior momento da pandemia, apesar de na véspera ter anunciado a criação de um comitê para definir ações do combate à Covid-19 em coordenação com os governadores.

“Se economia parar, se a política do fechar tudo de forma radical continuar, não sabemos onde vai parar o Brasil”, afirmou.

Ao mesmo tempo, o presidente mais uma vez defendeu a vacinação da população, repetindo o pronunciamento que fez esta semana, em mais uma mudança de postura para alguém que passou meses questionando a eficácia das vacinas e chegou a proibir, inicialmente, a compra da chinesa CoronaVac –a mais utilizada na vacinação brasileira até agora.

Ao exaltar a capacidade de produção da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan –este responsável pela produção da CoronaVac no país– Bolsonaro disse que em breve o país será autossuficiente na produção de imunizantes e, futuramente, poderá inclusive exportar vacinas, mediante a grande procura internacional.

“A questão de vacinas tem problemas no mundo todo”, afirmou.

“O mundo todo quer. Alguns acham que comprar vacina é pegar um avião aqui, ir lá fora e trazer pra cá. Não é assim. Não tem vacina dessa forma disponível no mercado… Poderemos lá na frente, depois de vacinarmos toda a população, começar a exportar vacinas.”

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2O1ZU-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.