Notícias

Bolsonaro diz que não pode trocar líder no Senado por ‘busca e apreensão’ da PF

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

25 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 25 de setembro de 2019 - 00:00

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou que, por ora, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), continua no cargo. Em entrevista ao Correio Braziliense, durante viagem a Nova York, Bolsonaro afirmou na terça-feira, 24, que precisa de algo “mais concreto” para afastar Bezerra, pois a realização de busca e apreensão pela Polícia Federal no gabinete e na residência do parlamentar não é suficiente.

“Eu não tirei o Fernando Bezerra de lá (da liderança do governo). Quero algo mais concreto. Não posso – com uma busca e apreensão, um processo antigo, e nós sabíamos que tinha esse processo – tirá-lo de lá”, disse Bolsonaro.

Ele destacou que Bezerra tem feito um “brilhante trabalho” para a sua gestão junto ao Senado. Acrescentou, ainda, que a função de líder do governo é “ingrata”. “Ele (Bezerra) tem todo o direito de se defender e tem feito, até o presente momento, um brilhante trabalho para nós, dentro do Senado. É uma função ingrata, difícil, dá trabalho conversar com parlamentares dos mais diferentes matizes”, disse Bolsonaro na entrevista.

Bolsonaro tem duas pautas de interesse prioritário no Senado. Uma delas é a reforma da Previdência, cuja votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) foi adiada para a próxima semana. Além disso, os senadores serão responsáveis por avaliar a indicação de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, para a embaixada do Brasil em Washington.

Após participar da Assembleia Geral das Nações Unidas, o presidente Jair Bolsonaro voltou para Brasília na manhã desta quarta-feira. Ele chegou ao Palácio da Alvorada, uma das residências oficiais da Presidência, por volta das 8h30.

Bolsonaro teve agenda com ministros palacianos, como Jorge Oliveira (Secretaria-geral) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

O presidente viajou na última segunda-feira e passou cerca de 30 horas em Nova York, nos Estados Unidos. Além de abrir a etapa de debates na Assembleia Geral da ONU, Bolsonaro foi na terça-feira a uma recepção organizada pelo presente dos EUA, Donald Trump, para chefes de estado.

Durante a viagem, o presidente não teve encontros bilaterais agendados. Segundo o Planalto e o Itamaraty, a agenda limitada em Nova York é em razão da recuperação física do presidente após ter sido submetido por uma cirurgia.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.