Notícias

Blinken diz em entrevista que China age “mais agressivamente no exterior”

Reuters
Reuters
Blinken diz em entrevista que China age “mais agressivamente no exterior”
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em Washington

3 de maio de 2021 - 10:34 - Atualizado em 3 de maio de 2021 - 10:35

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) – O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse em uma entrevista transmitida no domingo que ultimamente a China agiu “mais agressivamente no exterior” e está se comportando “cada vez mais de maneiras beligerantes”.

Indagado no programa “60 Minutes”, da rede CBS News, se Washington ruma para um confronto militar com Pequim, Blinken respondeu: “É profundamente contra os interesses tanto da China quanto dos Estados Unidos chegar a este ponto, ou mesmo seguir nesta direção”.

“O que testemunhamos ao longo dos últimos anos é a China agindo mais agressivamente em casa e mais agressivamente no exterior. Isto é um fato.”

Questionado sobre o suposto roubo chinês de centenas de bilhões de dólares, ou mais, de segredos comerciais e propriedades intelectuais dos EUA, Blinken disse que o governo Biden tem “preocupações sérias” em relação às propriedades intelectuais.

Ele disse que parece se tratar das ações “de alguém que está tentando competir injustamente e cada vez mais de maneiras beligerantes. Mas somos muito mais eficazes e mais fortes quando estamos atraindo países de mentalidade semelhante e igualmente afetados para dizer a Pequim ‘isto não pode continuar e não continuará’.”

A embaixada chinesa em Washington não respondeu de imediato no domingo a um pedido de comentário sobre a entrevista de Blinken.

Na sexta-feira, o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, disse que a China ficou aquém de seus compromissos de proteger propriedades intelectuais norte-americanas na “Fase 1” do acordo comercial bilateral assinado no ano passado.

Os compromissos eram parte do acordo abrangente do governo do ex-presidente Donald Trump e Pequim, que incluiu mudanças regulatórias em tecnologia agrícola e compromissos de comprar cerca de 200 bilhões de dólares de exportações dos EUA ao longo de dois anos.

Blinken chegou a Londres no domingo para a reunião dos chanceleres do G7, na qual a China é um dos temas em pauta.

Na entrevista, Blinken disse que os EUA não visam “conter a China”, mas “preservar esta ordem baseada em regras que a China está desafiando. Qualquer um que desafie esta ordem, iremos nos posicionar e defendê-la”.

Biden identifica a competição com a China como o maior desafio de política externa de sua gestão. Em seu primeiro discurso ao Congresso, ele prometeu manter uma presença militar norte-americana forte no Indo-Pacífico e fortalecer o desenvolvimento tecnológico dos EUA.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH420JS-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.