Notícias

BioNTech diz que trabalhará com outras empresas para aumentar produção de vacina

Reuters
Reuters

26 de dezembro de 2020 - 15:08 - Atualizado em 26 de dezembro de 2020 - 15:08

ANCARA (Reuters) – O presidente-executivo da BioNTech, Ugur Sahin, disse que a empresa estaria aberta a cooperar com outras com a intenção de aumentar a capacidade de produção de sua vacina contra Covid-19 desenvolvida com a Pfizer, e que está considerando abrir um escritório na Turquia.

Sahin repetiu que a BioNTech pretende distribuir 1,3 bilhão de doses de sua vacina até o final de 2021 e que 70% das pessoas precisariam ser vacinadas até o próximo inverno (no hemisfério norte) para voltar à “vida normal”, segundo uma entrevista à agência de notícias estatal turca Anadolu.

“Queremos produzir mais de 1 bilhão de doses com a Pfizer no próximo ano. Precisamos distribuí-las para mais de 80 países”, disse ele. “Não é fácil. As vacinas são feitas de forma complexa. Vamos voltar a cooperar com outras empresas”, acrescentou.

“Se conseguirmos realizar nossos planos de como aumentar a capacidade, podemos divulgar em janeiro ou fevereiro. Acredito que podemos aumentá-la. Ainda não temos um plano garantido.”

Ancara concordou em comprar 4,5 milhões de doses da vacina da BioNTech e Pfizer, com a opção de adquirir mais 30 milhões de doses posteriormente.

Sahin, filho de um imigrante turco na Alemanha, disse à Anadolu que a BioNTech estava em negociações com a agência científica estatal turca Tubitak e que o objetivo é entregar 30 milhões de doses ao país até o final de 2021.

“É uma grande alegria poder ajudar as pessoas na Turquia”, afirmou Sahin, segundo a Anadolu.

“Queremos também fazer pesquisas na Turquia. Temos conversas com a Tubitak, começamos a trabalhar com alguns professores em universidades. Queremos abrir uma filial da empresa BioNTech na Turquia”, disse, acrescentando que espera iniciar o trabalho clínico na pesquisa do câncer no país no verão de 2021.

A Turquia também concordou em comprar 50 milhões de doses da vacina da chinesa Sinovac, a CoronaVac, e um primeiro carregamento de 3 milhões de doses da CoronaVac chega na segunda-feira.

(Reportagem de Tuvan Gumrukcu)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.