Notícias

Autor de triplo feminicídio é condenado a 101 anos de prisão

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

27 de fevereiro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 27 de fevereiro de 2019 - 00:00

Jackson Lahr foi sentenciado a 101 anos de prisão em regime fechado (Foto: reprodução ND Online)

Armado com um facão, ele matou a ex-namorada de 15 anos, e as duas cunhadas, de 25 e 12 anos; o marido da irmã mais velha também foi golpeado, mas fingiu a própria morte e foi o único sobrevivente

Foi condenado nesta terça-feira (26), o homem acusado de matar três irmãs em Cunha Porã, no oeste de Santa Catarina (SC), em fevereiro de 2017. Jackson Lahr foi sentenciado a 101 anos de prisão em regime fechado, por triplo feminicídio e uma tentativa de homicídio. O julgamento, que durou cerca de 15 horas, reuniu aproximadamente 100 pessoas, incluindo familiares das vítimas, estudantes de direito e moradores da cidade.

Depoimento de condenado durou 10 minutos

Durante o dia foram ouvidos o policial militar que atendeu a ocorrência; o cunhado de Jackson, que também foi agredido, e um vizinho que socorreu o cunhado do acusado e o levou para o hospital. Ao todo, 28 jurados foram convocados e quatro mulheres e três homens foram sorteados para compô-lo.

O depoimento de Jackson durou aproximadamente 10 minutos. Durante a fala, ele informou que está tomando alguns remédios tarja preta, mas não soube informar os nomes dos medicamentos. Durante a tarde, o advogado da defesa tentou alegar a insanidade mental do réu, mas a corte não aceitou o pedido.

Condenação 

Na condenação, o júri alegou que motivo do crime foi fútil, além de ter dificultado a defesa das vítimas e ter sido realizado de maneira cruel. Jackson também foi condenado ao pagamento de R$ 600 mil em indenização às famílias das vítimas. Por causa disso, os bens do condonado já foram bloqueados.

Ainda nesta terça, Jackson saiu do Tribunal do Júri direto para a Unidade Prisional Avançada de Maravilha, onde já estava preso desde a data do crime. 

Relembre o crime

O crime aconteceu no dia 27 de fevereiro de 2017, quando o acusado invadiu a casa da ex-namorada no interior de Cunha Porã. Armado com um facão, ele matou a garota, de 15 anos, e as duas cunhadas, de 25 e 12 anos. O marido da irmã mais velha também foi golpeado, fingiu a própria morte e foi o único sobrevivente. Na casa ainda estava o filho do suspeito com a ex-companheira, que na época tinha apenas dois meses. O menino, que hoje está com dois anos, ficou aos cuidados dos avós.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.