Notícias

Ato contra tarifa de R$ 4,25 termina com cenas de guerra em Curitiba

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

7 de fevereiro de 2017 - 00:00 - Atualizado em 7 de fevereiro de 2017 - 00:00

Manifestantes e PMs entram em confronto no Centro de Curitiba. (Foto: Reprodução/RICTV)

Black Blocs picharam e destruíram bancos e prédios públicos no centro da capital

O aumento de R$0,55 no preço da passagem de ônibus não foi recebido com silêncio pelos passageiros do transporte coletivo. Muitos curitibanos foram às ruas protestar contra a tarifa de R$4,25 em uma manifestação que terminou em confronto na noite desta segunda-feira (6).

Organizado pelas redes sociais, ato denominado “R$4,25 eu não aceito” começou na Praça 19 de Dezembro, no Centro de Curitiba. Estudantes e professores também estiveram presentes para questionar a nova tarifa.

Na última semana, o prefeito Rafael Greca disse que o aumento era necessário pra equilibrar o sistema de transporte público, possibilitando investimentos e melhorias para os passageiros. Mas os usuários do sistema não se convenceram. Nas ruas da área central o movimento ganhou força. Segundo a Polícia Militar, mais de mil participantes estiveram presentes.

O protesto seguia de forma pacífica até que Black Blocs, manifestantes encapuzados e outros de cara limpa, começaram a depredar lixeiras, agências bancárias e o que encontravam pelo caminho. De acordo com o comando da polícia militar, responsável pela segurança na área central de Curitiba, foi a partir do quebra-quebra, pichações e da tentativa de manifestantes apedrejarem viaturas da PM que o reforço policial foi acionado. Bombas de gás e balas de borracha foram lançadas contra aqueles que lançavam pedras e lixeiras contra os policiais.

Dezenas de manifestantes foram detidos e encaminhados à delegacia no Centro de Curitiba. Os menores passaram pela delegacia do adolescente e só foram liberados com a presença dos pais ou responsáveis. Maiores de dezoito anos assinaram termo circunstanciado e terão de comparecer a uma audiência na Justiça.

Leia mais

Curitiba tem cesta básica mais barata da Região Sul, segundo Dieese

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.