Notícias

Após assalto, homem propõe a vítima: estupro, morte ou incesto

“Eu posso te sufocar com esse travesseiro, posso fazer sexo com você ou te forçar a fazer sexo com o seu filho”, declarou

Guilherme
Guilherme Becker / Editor
Após assalto, homem propõe a vítima: estupro, morte ou incesto
Joshua desta vez não escapou do sistema prisional (FOTO: REPRODUÇÃO)

23 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 23 de setembro de 2019 - 00:00

Um homem, que estava em liberdade condicional, foi preso no último final de semana após praticar um roubo e um estupro em Nova York, nos Estados Unidos. A vítima revelou às autoridades americanas que Joshua Henderson, de 33 anos, invadiu sua casa e ainda deu a ela três opções antes de ir embora: estupro, morte ou incesto.

A mulher, que estava amarrada no quarto juntamente com o filho, acabou sendo estuprada e teve jóias, dinheiros e pertences roubados. 

Assaltante estupra vítima 

As informações do crime foram repassadas pelo veículo de comunicação ABC 7, de acordo com os americanos, Joshua entrou no apartamento da mulher alegando ser funcionário de uma empresa de construção. Dentro da residência, o homem amarrou a mulher e o filho.

Enquanto os dois estavam imobilizados dentro do quarto, Joshua aproveitou para roubar jóias, pertences e dinheiro das vítimas. Entretanto, o crime não parou por aí, após separar os objetos o homem deu três alternativas a mulher. “Eu posso te sufocar com esse travesseiro, posso fazer sexo com você ou te forçar a fazer sexo com o seu filho”, declarou o assaltante, segundo a vítima.

Depois do drama vivido dentro do próprio apartamento, a mulher realizou a denúncia às autoridades e recebeu a informação que após ter sido liberado da cadeia, o homem já havia sido preso em outras duas oportunidades. 

“Esse caso mostra que nós temos um grave problema em nosso sistema judiciário. Como um homem que está em liberdade condicional não é preso novamente quando comete um assalto cerca de um ou dois meses depois em que foi posto em liberdade?”, relatou Dermot Shea, chefe do departamento de investigações da polícia de Nova York.

Caso condenado, o homem pode pegar uma pena de até 25 anos de prisão.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.