Brasil

Apresentador de Curitiba está internado com suspeita de coronavírus e alerta: “fiquem em casa”

Lucas
Lucas Sarzi
Apresentador de Curitiba está internado com suspeita de coronavírus e alerta: “fiquem em casa”
Foto: Arquivo Pessoal.

31 de março de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:48

O apresentador e jornalista Adilson Arantes, que atua na rádio Caiobá FM e também na TV Evangelizar, está internado com suspeita de coronavírus. Ao RIC Mais, ele disse que começou a passar mal há pelo menos uma semana, mas a situação piorou, por isso foi preciso o internamento. Adilson, que pensou que ia morrer por falta de ar, alertou as pessoas que fiquem em casa.

O apresentador contou, nesta terça-feira (31), que passou pelo exame para confirmar se está com o novo coronavírus, mas o resultado ainda não saiu. “Apesar disso, os médicos estão me tratando como se eu estivesse, sim, com Covid-19. As pessoas precisam ficar muito alertas, porque essa doença não é brincadeira“, destacou Adilson Arantes.

Adilson disse que ficou em casa por uma semana, mas as dores pelo corpo ficaram mais intensas e a febre cada vez mais alta. “Já vinha sendo monitorado pelos médicos do hospital Ônix. De domingo (29) pra segunda-feira (30) pensei que fosse morrer por falta de ar. Um simples movimento na cama parecia o maior esforço do mundo”.

Adilson Arantes apresentador e jornalista 3

Adilson está afastado de seus compromissos profissionais. Foto: Arquivo Pessoal.

Relato da internação

Nesta segunda-feira ele resolveu ir para o hospital logo pela manhã. “Chegando, já foram fazendo todos os testes para covid-19. Como estou com pneumonia, o bicho pegou. Internado, isolado e sem visitas“, contou Adilson, destacando a importância de seguir as orientações médicas e também do isolamento social.

As primeiras 24h de Adilson Arantes no hospital foram cruciais pois, embora ainda não tenha a confirmação do exame, seu quadro piorou um pouco, o que ativou alerta e os médicos optaram por lhe tratar como se realmente estivesse com o novo coronavírus. “Os médicos e os remédios são muito importantes, mas a fé é indispensável. As primeiras 24 horas num hospital, com uma doença nova que você não conhece direito, não é fácil. Dormi quase nada à noite“.

Adilson disse que teve um dos novos sintomas manifestados pelo novo coronavírus, que é a falta do paladar. “Comida? Nem pensar. O paladar não existe. Só tomo água, pois sei da importância do líquido para hidratação”, disse ele, reforçando que passou por dois tipos de exames de sangue e que os médicos, em seguida, receitaram dois tipos de remédios diferentes para começar o tratamento.

O ar é precioso

O apresentador, que já estava afastado da rádio e se afastou da TV por conta do problema de saúde, disse que tentou tomar banho, mas não conseguiu. “Faltou ar. Recuei e deitei de novo. Agora há pouco precisei fazer um “simples” xixi. Da cama para o banheiro, numa distância de 3 metros, demorei uns 30 minutos. Parece muito tempo né? Juro que pra mim foi a primeira vitória aqui dentro”.

Adilson, que é um dos principais comunicadores de Curitiba, disse que sente como se estivesse conhecendo seus próprios limites. “Não posso mais ser rápido, ao contrário, tudo tem que ser lento, bem lento, pois o ar é precioso. É isso. Estou no hospital, medicado e logo volto pra casa. Agora, como disse o médico, é esperar. Com muita paciência“.

Adilson Arantes apresentador e jornalista 2

Apresentador pediu que as pessoas fiquem em casa. Foto: Arquivo Pessoal.

Fique em casa!

Quando questionado sobre o que poderia dizer às pessoas neste momento, Adilson foi enfático. “Fiquem em casa. Se cuidem e cuidem dos mais velhos e dos mais debilitados”, disse ele, destacando que os médicos lhe disseram que teve sorte por perceber os sintomas logo no começo da chegada da pandemia em Curitiba. “Hospitais ainda vazios, atenção total de uma equipe médica e tudo. E depois, como será?“.

O Paraná tem, até agora, 185 casos confirmados do novo coronavírus. Por enquanto, foram registradas três mortes no Estado. Dos casos em investigação (suspeitos), 2.960 foram descartados e 521 continuam sendo apurados.