Coronavírus

Após registros de casos suspeitos de coronavírus, motoristas e cobradores pedem que ônibus parem em Curitiba

Lucas
Lucas Sarzi
Após registros de casos suspeitos de coronavírus, motoristas e cobradores pedem que ônibus parem em Curitiba
Foto: Daniel Castellano/SMCS.

19 de março de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:51

Uma medida do Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sindimoc) pediu, nesta quinta-feira (19), que haja paralisação do transporte coletivo de Curitiba. A alternativa, drástica, foi pensada para evitar que haja transmissão do novo coronavírus. Isso porque a categoria informa que já registrou casos suspeitos. Mas o RICMais apurou que os ônibus não devem parar por completo, pelo menos não por enquanto.

Segundo a nota do Sindimoc, o pedido é para que haja paralisação total dos ônibus. “A categoria de motoristas e cobradores já registrou casos suspeitos e com isso ressaltamos a importância de permanecer em casa, independente de apresentar sintomas. Todas as medidas adotadas pelo Sindimoc até agora seguem orientações do Decreto publicado pelo Governo do Estado e da nossa central sindical, Força Sindical”, destacou o sindicato.

Ainda conforme o Sindimoc, a Urbanização de Curitiba (URBS) e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) “já entraram em contato e informaram que estão sensíveis à questão e que já começaram a fazer mudanças no sistema, a pedido do sindicato“.

onibus curitiba Foto Cesar Brustolin SMCS

Sindicato afirma que já tiveram casos suspeitos de coronavírus entre os motoristas e cobradores. Foto: Cesar Brustolin/SMCS.

O que muda pela Urbs?

Depois de uma reunião, as empresas entraram em acordo com algumas medidas a serem tomadas quando ao transporte coletivo. A decisão que mais afeta os passageiros é a de que, a partir da próxima segunda-feira (23), os ônibus vão usar a tabela de sábado, com exceção das linhas Expresso, Ligeirões e Linha Direta Inter 2, que não vão ter alterações em seus horários.

O horário de sábado, para as linhas não citadas, vale de segunda a sexta-feira. Aos sábados os ônibus vão operar com a tabela de domingo. A tabela de domingo permanece a mesma. Junto disso, ficou decidido por interromper o funcionamento da Linha Turismo, já a partir desta sexta-feira (20).

Estas decisões foram tomadas porque, segundo a Urbs, o transporte coletivo da cidade perdeu cerca de 37% do fluxo de passageiros nos últimos dias, justamente por causa do coronavírus. O levantamento feito mostra que em 10 de março foram 756.167 passageiros, mas na última quarta-feira (18) esse volume caiu para 478.283.

onibus curitiba Foto Daniel Castellano SMCS 2

Ônibus devem ser evitados ao máximo pelos idosos neste momento de coronavírus. Foto: Daniel Castellano/SMCS.

Quais são as mudanças pela Comec?

Segundo a Comec, que é a responsável pelos ônibus que circulam na Região Metropolitana de Curitiba, nesta sexta-feira (20) os ônibus continuam normalmente, seguindo as tabelas de horários de dias úteis. Mas uma nova reunião vai ser feita para avaliar a situação e tomar as ações cabíveis para os próximos dias.

Por enquanto, o que já foi determinado pela Comec: os últimos horários de saída partindo de Curitiba vão ser até as 22h. Já as tabelas extras, utilizadas no reforço das operações nos finais da tarde e início da noite, estão suspensas. As lojas de recarga da Metrocard localizadas nos terminais de Pinhais, Central de São José, Afonso Pena, Guaraituba e Fazenda Rio Grande, vão ficar fechadas.

Junto disso, o atendimento ao público presencial na sede da Comec foi suspenso. O mutirão para confecção do cartão transporte, marcado para dia 28 de março, em Contenda, na RMC, foi suspenso. A Comec reforça o pedido de que as pessoas que fazem parte do grupo de risco, que tenham acima de 60 anos, que não utilizem o sistema de transporte coletivo.

onibus curitiba Foto Pedro Ribas SMCS

Foto: Pedro Ribas/SMCS.

Movimento acompanhado

Com o fechamento de escolas e faculdades, flexibilização do horário do comércio e o crescimento do número de funcionários de empresas que passam a operar em sistema home office, a tendência é que a queda no número de passageiros se mantenha por mais tempo. Conforme a Urbs, um comitê de crise foi montado para que seja monitorado, diariamente, o comportamento de fluxo dos passageiros.