Notícias

Ao falar de tratativas com Pfizer, Bolsonaro defende responsabilidade em compra de vacina

O presidente também fez críticas aos europeus pelo que esperam dos indígenas em seu governo.

Reuters
Reuters
Ao falar de tratativas com Pfizer, Bolsonaro defende responsabilidade em compra de vacina
Presidente Jair Bolsonaro

14 de maio de 2021 - 20:55 - Atualizado em 15 de maio de 2021 - 16:04

O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta sexta-feira (14) que é preciso ter responsabilidade com a eventual compra de uma vacinaainda desconhecida” ao falar com apoiadores sobre as negociações para a compra do imunizante contra Covid-19 da Pfizer um dia após o depoimento do ex-presidente da companhia no Brasil Carlos Murillo à CPI da Covid.

“Tem que ter responsabilidade com uma vacina ainda desconhecida. Tinha ainda governador e prefeito que achava que tinha que ser obrigatória”

disse ele, em gravação pelas redes sociais.

Apesar de Bolsonaro defender cautela na compra da Pfizer, o governo brasileiro firmou no ano passado contrato para a compra de vacinas da Oxford-AstraZeneca, ainda em desenvolvimento, muito antes de o imunizante ter autorização para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em seu depoimento á CPI, Murillo disse que a primeira oferta de vacinas ao Brasil ocorreu em agosto do ano passado, mas o país só acertou a compra do primeiro contrato, de 100 milhões de doses do imunizante da Pfizer, em março deste ano. Nesta sexta-feira, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou a assinatura de um novo contrato, para outras 100 milhões de doses.

Garimpo

A apoiadores, Bolsonaro disse que não considera ser justo criminalizar garimpeiros no Brasil.

“Não é porque meu pai garimpou por um tempo, estou defendendo a memória dele, não tem nada a ver. No Brasil é muito bacana o pessoal de paletó e gravata dar palpite em tudo o que acontece no campo”

afirmou Bolsonaro

O presidente também fez críticas aos europeus pelo que esperam dos indígenas em seu governo.

“A gente quer deixar eles plantarem à vontade. Sabia que o índio é discriminado, né? Eles estão plantando e a Europa não aceita o produto deles porque interessa ficar como qualquer coisa, menos um ser humano”

Finalizou o presidente
tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH4D1DI-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.