Notícias

ANÁLISE-Como Biden poderia usar as políticas externa e comercial para proteger a floresta amazônica

Reuters
Reuters
ANÁLISE-Como Biden poderia usar as políticas externa e comercial para proteger a floresta amazônica
Presidente dos EUA, Joe Biden, na Casa Branca

18 de fevereiro de 2021 - 11:15 - Atualizado em 18 de fevereiro de 2021 - 11:16

Por Anastasia Moloney e Fabio Teixeira

BOGOTÁ/RIO DE JANEIRO (Thomson Reuters Foundation) – Agora que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está desenvolvendo sua estratégia de combate à mudança climática no palco global, as políticas externa e comercial também poderiam ser usadas para enfrentar a questão espinhosa do desmatamento crescente na Amazônia, disseram pesquisadores e ex-autoridades.

Um decreto emitido por Biden em janeiro para tratar da “crise climática profunda” exige que autoridades desenvolvam um “plano para incentivar a proteção da floresta tropical amazônica e outros ecossistemas críticos que servem como sequestros de carbono globais”.

Durante sua campanha eleitoral, Biden também acenou com a possibilidade de mobilizar 20 bilhões de dólares para a salvaguarda da Amazônia.

Acadêmicos de 20 universidades brasileiras e norte-americanas, juntamente com grupos ambientalistas, apoiaram um relatório do mês passado sobre como Biden deveria lidar com o Brasil, aconselhando o presidente a limitar as importações de commodities por meio de um decreto.

Eles pediram diretrizes dos EUA para bloquear produtos ligados à destruição da floresta –principalmente carne bovina, soja e madeira– vindos do Brasil, que abriga aproximadamente 60% da Amazônia e onde o desmatamento está aumentando.

“Os Estados Unidos têm uma responsabilidade e contribuem indiretamente com o desmatamento no Brasil”, disse Mariana Mota, coordenadora de políticas públicas do Greenpeace Brasil.

A proteção das florestas tropicais é considerada um anteparo vital contra o aquecimento global por causa das quantidades imensas de dióxido de carbono –que aquece o planeta– que elas absorvem.

Mas a devastação amazônica para a agricultura, a mineração e outras atividades comerciais está erodindo sua capacidade de atuar como sequestro de carbono, alertam cientistas.

O desmatamento da Amazônia brasileira atingiu uma alta de 12 anos em 2020, de acordo com dados do governo publicados em novembro.

Atrelar condições que ajudariam a preservar a Amazônia a questões de política externa de interesse do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, também poderia funcionar, disseram especialistas.

Nos últimos anos, impulsionados pelo financiamento da Noruega, países como Brasil, Colômbia e Peru pagaram centenas de milhões de dólares por emissões que seriam evitadas com a repressão do desmate ilegal na Amazônia.

Mas Carlos Rittl, ex-secretário-executivo do Observatório do Clima, questionou a eficácia de incentivos econômicos para o Brasil, dizendo que “não é a falta de dinheiro que impede o governo Bolsonaro de proteger a Amazônia”.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1H120-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.