Notícias

Algo a comemorar ou temer? Europa se divide sobre vacinar crianças contra Covid

Reuters
Reuters
Algo a comemorar ou temer? Europa se divide sobre vacinar crianças contra Covid
Crianças são vacinadas contra a Covid-19 em Leipzig

13 de dezembro de 2021 - 10:27 - Atualizado em 13 de dezembro de 2021 - 10:30

Por Emilio Parodi e Nikolaj Skydsgaard e Bart H. Meijer

MILÃO/COPENHAGUE (Reuters) – Enquanto a Europa começa a vacinar crianças pequenas contra a Covid-19, países estão adotando estratégias diferentes para o que será um grande teste da disposição dos pais para imunizar os filhos.

Uma região da Itália está enviando palhaços e malabaristas para clinicas, França e Alemanha estão visando somente as crianças mais vulneráveis e a Dinamarca está administrando doses mesmo antes de frascos e seringas criados especialmente para a vacinação desse público chegarem.

“A vacinação precisa ser um jogo, um momento prazeroso em que as crianças possam se sentir à vontade”, disse Alessio D’Amato, chefe de saúde da região central de Lazio, em um vídeo ao declarar que 15 de dezembro será o “Dia da Vacina” para as crianças locais.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou o uso da vacina de dose reduzida da Pfizer-BioNTech para a faixa etária de 5 a 11 anos no mês passado, na esteira da autorização para crianças mais velhas em maio.

As primeiras remessas dos frascos pediátricos menores só chegarão nesta segunda-feira. Os cronogramas de distribuição variam, mas a maioria dos países está se preparando para começar a aplicar doses neste grupo um dia ou dois após a chegada dos primeiros suprimentos.

A Bélgica pode não começar a vacinação antes do início de janeiro, já que as autoridades nacionais ainda se preparam para emitir uma diretriz.

A Espanha, que está entre os países mais imunizados do mundo com seus 90% de pessoas de 12 anos ou mais totalmente vacinadas, começará a inocular crianças pequenas no dia 15 de dezembro.

Inocular crianças e jovens, que podem transmitir Covid-19 involuntariamente a outros com risco maior de ter doenças graves, é considerado um passo essencial para se domar a pandemia.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHBC0LE-BASEIMAGE