Agronegócio

Unidades da BRF e Marfrig recebem aprovação da China para retomar exportações

Reuters
Reuters

23 de outubro de 2020 - 20:04 - Atualizado em 23 de outubro de 2020 - 20:05

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) – As companhias de alimentos BRF e Marfrig Global Foods receberam nesta sexta-feira a aprovação da China para retomar as exportações de carnes das unidades de Dourados (MS) e Várzea Grande (MT), respectivamente, que haviam sido suspensas em meio a preocupações sobre a pandemia da Covid-19, disseram as empresas.

A autorização, que se deu após inspeções realizadas pelas autoridades chinesas, foi publicada no site da Administração Geral das Alfândegas da China (GACC, na sigla em inglês), informou o Ministério da Agricultura em comunicado à Reuters, citando que duas plantas brasileiras haviam sido autorizadas.

“A liberação para a retomada de exportações para o país asiático, mercado estratégico para a BRF, reforça o compromisso da companhia com a qualidade de seus produtos e com a saúde segurança dos seus colaboradores”, afirmou em nota o CEO da empresa, Lorival Luz.

Os embarques de frango da unidade da BRF, a maior exportadora da proteína no mundo, foram suspensos em julho e estão previstos para acontecer nos próximos dias, segundo a companhia.

A Marfrig confirmou por meio da assessoria de imprensa que poderá voltar a enviar carne bovina à China de sua planta localizada em Várzea Grande, cujas exportações foram proibidas em junho.

Algumas unidades de companhias do setor foram suspensas pelos chineses após surtos de coronavírus entre funcionários. No entanto, não há nenhuma confirmação científica de que a doença possa ser transmitida por alimentos.

A planta de Lajeado (RS) da BRF segue impedida de embarcar ao mercado chinês, assim como as unidades de Três Passos e Passo Fundo da JBS, no Rio Grande do Sul.

Assim que a proibição foi anunciada, em julho, a BRF afirmou que atuaria junto às autoridades brasileiras e chinesas para reversão da suspensão no menor prazo possível.

Procurado, o Ministério da Agricultura afirmou que, antes da atualização da lista de estabelecimentos habilitados para exportação que consta no site da GACC, houve auditoria por videoconferência e apresentação de documentos, conduzidas pelas equipes do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal e do Serviço de Inspeção Federal (SIF).

“As autoridades chinesas concluíram que as medidas adotadas pelo Ministério da Agricultura e pelos estabelecimentos foram satisfatórias e adequadas para o atendimento às exigências chinesas”, afirmou a pasta em nota.

Atualmente, a BRF possui 15 unidades habilitadas para exportar para a China, sendo 10 de aves, 4 de suínos e 1 de miúdos de suínos.

Já a Marfrig conta com 13 unidades habilitadas a exportar para a China na América do Sul.

(Reportagem adicional de Ana Mano)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.