Agronegócio

Trabalhadores de portos agrícolas da Argentina anunciam greve para sexta-feira

Reuters
Reuters

26 de agosto de 2020 - 20:33 - Atualizado em 26 de agosto de 2020 - 20:35

Por Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) – O sindicato de trabalhadores técnicos portuários Urgara anunciou nesta quarta-feira que promoverá uma greve de 36 horas a partir da próxima sexta para cobrar reajustes salariais, em movimento que pode afetar as exportações agrícolas da Argentina.

Os membros da União dos Recebedores de Grãos da Argentina (Urgara, na sigla em espanhol) são trabalhadores essenciais que verificam os porões dos navios e os grãos que são embarcados, o que faz com que a manifestação tenha impacto direto nos carregamentos.

“Como trabalhadores essenciais, temos contribuído para o funcionamento do comércio exterior em meio ao marco da pandemia, e agora nos deparamos com a intransigência empresarial que não quer reconhecer o trabalho que desempenhamos”, disse o Urgara em um comunicado.

O sindicato afirmou que as negociações com a Câmara de Portos Privados Comerciais (CPPC) para discutir os reajustes salariais em linha com a inflação do país deveriam ter ocorrido no final de junho.

Por sua vez, o gerente-geral da CPPC, Martín Brindici, disse à Reuters que a entidade concedeu em maio um reajuste que ainda se mantém acima da inflação acumulada no ano, e que até agora realizava reuniões semanais com o Urgara.

“As declarações do setor sindical não refletem em nada a realidade dos fatos. Chama a atenção porque sempre tivemos um bom diálogo”, afirmou Brindici, acrescentando que também vinham sendo discutidas as condições de trabalho.

A Argentina é a maior exportadora de óleo e farelo de soja do mundo, além de terceira maior fornecedora de milho e importante provedora global de trigo. A greve do Urgara deve ocorrer em um momento de menor atividade portuária, devido ao fim das safras 2019/20 de soja e milho.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.