Agronegócio

Tempo seco reduz ritmo de plantio de soja no RS; prejudica áreas de milho

Reuters
Reuters

22 de outubro de 2020 - 20:49 - Atualizado em 22 de outubro de 2020 - 20:50

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) – A falta de chuvas no Rio Grande do Sul fez com que produtores reduzissem o ritmo de plantio de soja na última semana, chegando a paralisar os trabalhos em algumas regiões, e com isso a semeadura do grão avançou somente 1 ponto percentual em relação à semana anterior, para 5% das áreas, informou a Emater-RS nesta quinta-feira.

A condição climática também prejudicou lavouras de milho, nas quais já é possível identificar estresse hídrico em determinadas plantas, fator que pode afetar a produtividade da cultura, mostraram dados apurados pela Gerência de Planejamento da Emater-RS, vinculada à Secretaria de Agricultura do Estado (Seapdr).

“O tempo seco fez produtores reduzirem a intensidade da implantação (de soja) no Estado; em algumas regiões, foi necessária inclusive a paralisação da atividade”, disseram os técnicos em nota.

Apesar da adversidade, o patamar de 5% para a oleaginosa está em linha com a média histórica para o período. No mesmo momento da temporada anterior, 4% das áreas de soja no Rio Grande do Sul estavam plantadas, de acordo com a Emater-RS.

A semeadura de milho avançou 4 pontos percentuais na semana, para 70% do esperado, mas “a sequência de dias com tempo seco reduziu a umidade do solo e, em algumas regiões do Estado, já há lavouras com sintomas de estresse hídrico”.

“Na regional de Ijuí, os cultivos estão sob forte estresse hídrico devido à falta de chuvas. Lavouras apresentam enrolamento das folhas, crescimento paralisado, morte de plantas e colmos finos”, citou o levantamento.

Diante da baixa umidade no solo, os técnicos disseram que não é possível realizar o controle de ervas daninhas e fazer a aplicação de adubação nitrogenada em cobertura nesta região.

As plantas que receberam esse tipo de adubo em meio a baixos volumes de precipitações apresentam queimaduras nas bordas das folhas.

Ainda assim, a semeadura do cereal está em linha o patamar de 70% visto em igual período do ciclo anterior e figura acima da média histórica de 65%.

O plantio de arroz foi o que mais avançou na semana, ao passar de 35% no último dia 15 para os atuais 50%. Com isso, o nível de semeadura desta temporada supera os 45% vistos um ano antes e a média histórica de 38%.

Na contramão do efeito verificado para o plantio, a ausência de chuvas na semana favoreceu a colheita do trigo no Estado. Com isso, os trabalhos passaram de 18% para 31%, acima da média para o período, de 26%

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.