Agronegócio

Suprema corte da UE mantém proibição de pesticidas ligados a danos a abelhas

Reuters
Reuters

6 de maio de 2021 - 16:39 - Atualizado em 6 de maio de 2021 - 16:40

Por Kate Abnett

BRUXELAS (Reuters) – A suprema corte da União Europeia manteve nesta quinta-feira a proibição parcial de três inseticidas ligados a danos a abelhas, evitando seu uso em certos cultivos.

A Corte de Justiça Europeia rejeitou um pedido da Bayer de anular a decisão de 2018 que mantinha a proibição.

A decisão envolve três substâncias ativas –imidacloprido, desenvolvido pela Bayer CropScience; clotianidina, desenvolvida pela Takeda Chemical Industries e pela Bayer CropScience; e tiametoxam, da Syngenta.

Um representante da Bayer afirmou que o veredito é decepcionante e defendeu a segurança dos produtos, que continuam sendo usados em outras regiões com a aplicação de medidas de redução de riscos apropriadas.

“O veredito aparenta dar carta branca à Comissão (Europeia) para rever aprovações já existentes diante de qualquer sinal de evidências, que sequer precisam ser novos dados científicos”, afirmou o representante.

Em 2013, a Comissão restringiu o uso de neonicotinóides, o que significa que estes não poderiam ser utilizados em milho, canola e alguns cereais de primavera. Eles ainda poderiam ser usados para outras culturas, como beterraba sacarina.

A Comissão revisou as aprovações devido à perda de colônias de abelhas, ligada ao mau uso dos pesticidas.

A Bayer alegava que não existem novas informações científicas suficientes para justificar as restrições. A suprema corte da União Europeia rejeitou a apelação nesta terça-feira, e condenou a Bayer a arcar com seus próprios custos e com os de outras partes na ação.

“A Corte de Justiça reafirmou que proteger a natureza e a saúde das pessoas é mais importante do que os interesses econômicos de multinacionais poderosas”, disse Andrea Carta, estrategista legal do Greenpeace.

Já a Bayer e a Syngenta, da ChemChina, alertam que a proibição dos inseticidas significaria que produtores teriam que voltar a usar produtos químicos mais antigos e aumentar a pulverização.

Apesar da proibição, foram concedidas 206 autorizações emergenciais para o uso das substâncias entre 2013 e 2019 na União Europeia. No ano passado, auditores da UE disseram que esse uso de pesticidas, mesmo legal, era responsável pela perda de abelhas.

Para proteger as abelhas, a Comissão propôs metas para diminuir o uso de pesticidas químicos em 50% e reduzir o uso de fertilizantes em 20% até 2030.

(Reportagem de Kate Abnett, com reportagem adicional de Ludwig Burger)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.