Agronegócio

Soja toca maior nível desde 2018 em Chicago com sinal de oferta apertada nos EUA

Reuters
Reuters

9 de outubro de 2020 - 17:42 - Atualizado em 9 de outubro de 2020 - 17:45

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros da soja negociados em Chicago avançaram para o maior nível desde março de 2018 nesta sexta-feira, depois de o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) projetar os estoques da oleaginosa no país em uma mínima de cinco anos.

Os futuros do milho atingiram o mais alto nível em um ano, enquanto as cotações do trigo recuaram da máxima de cinco anos registrada na quinta-feira.

Os operadores têm acompanhado de perto as questões de oferta depois de um firme aumento na demanda da China, maior importadora de soja do mundo.

Em relatório mensal, o USDA reduziu sua estimativa para os estoques finais de soja dos EUA em 37%, para 290 milhões de bushels, nível inferior aos 369 milhões de bushels projetados pelo mercado.

“Os estoques finais de soja em 290 bilhões de bushels implicam muito uso”, disse Jack Scoville, vice-presidente do Price Futures Group em Chicago. “Como nós já vendemos volumes recordes para a China, o USDA deve estar esperando que esse movimento continue por mais algum tempo.”

O contrato mais ativo da soja fechou em alta de 15,50 centavos de dólar, a 10,6550 dólares por bushel, tocando o maior nível desde 2 de março de 2018.

O trigo recuou 1,50 centavo, para 5,9375 dólares o bushel. O milho avançou 8 centavos, para 3,95 dólares/bushel, e atingiu o maior preço desde 15 de outubro de 2019.

(Reportagem de Tom Polansek em Chicago, com reportagem adicional de Karl Plume em Chicago, Gus Trompiz em Paris e Colin Packham em Sydney)