Agronegócio

Soja avança em Chicago em meio a temores com oferta da Argentina

Reuters
Reuters

22 de dezembro de 2020 - 18:00 - Atualizado em 22 de dezembro de 2020 - 18:05

Por Christopher Walljasper

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros da soja negociados em Chicago operaram em ambos os territórios nesta terça-feira, mas terminaram a sessão em alta, com o mercado avaliando o registro de chuvas na América do Sul e a greve de trabalhadores do setor na Argentina, enquanto investidores realizaram lucros antes do feriado de final de ano nos Estados Unidos.

Os futuros do trigo também se beneficiaram do atraso de carregamentos na Argentina, e o milho encerrou o dia com ganhos.

O contrato mais ativo da soja fechou em alta de 2,50 centavos de dólar, a 12,50 dólares por bushel, após atingir a marca de 12,5625 dólares, maior nível desde 23 de junho de 2014.

O trigo avançou 5,75 centavos, para 6,17 dólares o bushel, enquanto os futuros do milho subiram 3,50 centavos, a 4,4425 dólares/bushel.

O registro de chuvas em partes da Argentina e do Brasil pressionou os futuros da soja, embora a seca persistente continue sendo uma ameaça às safras em meio à firme demanda global e a estoques apertados.

“O que tem sido um fator altista é a greve nos portos da Argentina”, disse Mark Schultz, analista-chefe da Northstar Commodity. “Poderemos ver mais negócios de trigo chegando para embarque rápido (nos EUA), se não conseguirem na Argentina”, acrescentou.

(Reportagem de Christopher Walljasper; reportagem adicional de Gus Trompiz, em Paris, e Colin Packham, em Sydney)