Agronegócio

Seca acelera colheita de soja da Argentina, mas baixo nível do rio Paraná preocupa

Reuters
Reuters

6 de maio de 2021 - 15:42 - Atualizado em 6 de maio de 2021 - 15:45

Por Hugh Bronstein e Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) – As colheitas de soja e milho da Argentina têm sido impulsionadas por condições climáticas ideais, mas a falta de chuvas que ajuda os produtores nos trabalhos de campo também contribui para que o rio Paraná permaneça com um baixo nível d’água, o que já começou a afetar as exportações agrícolas do país.

A falta de navegabilidade no rio, por onde são transportadas cerca de 80% das exportações de grãos da Argentina, tem sido um “problema subestimado” pelos exportadores, disse nesta quinta-feira o meteorologista German Heinzenknecht, da consultoria Climatologia Aplicada.

“O tempo está excelente para o progresso da colheita. Esperamos algumas chuvas na próxima semana na região leste, mas nada que desacelere a colheita”, afirmou.

“A situação do rio é muito séria e não deve melhorar até o final do ano. A navegabilidade vai piorar”, acrescentou Heinzenknecht.

Os navios estão carregando entre 5.500 toneladas a 7.000 toneladas a menos devido aos baixos níveis d’água, segundo o presidente da Câmara de Atividades Portuárias e Marítimas (CAPyM, na sigla em espanhol), Guillermo Wade.

O nível do Paraná no polo exportador de Rosario, onde estão localizadas algumas das maiores unidades de processamento de soja do mundo, era de apenas 1 metro nesta quinta-feira, segundo a Guarda Costeira argentina.

Entre 1996 e 2020, a profundidade média do rio em Rosario nesta época do ano atingia 3,58 metros.

A medição é baseada em uma escala utilizada por capitães de navios e não reflete a profundidade real do curso d’água. Na verdade, o Paraná é dragado para cerca de 10 metros em Rosario.

A principal causa do baixo nível é o tempo seco no Brasil, onde o rio nasce. Na Argentina, o cinturão agrícola dos Pampas deverá permanecer majoritariamente seco nos próximos dias, com temperaturas acima do normal, disse a Bolsa de Cereais de Buenos Aires em relatório publicado nesta quinta-feira.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.