Agronegócio

Real tem pior desempenho global na volta de feriado; reflação e fiscal pesam

Reuters
Reuters

17 de fevereiro de 2021 - 17:26 - Atualizado em 17 de fevereiro de 2021 - 17:30

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar voltou do feriado bancário em firme alta, impondo ao real o posto de moeda com pior desempenho global nesta quarta-feira, com os negócios influenciados por um rali global da divisa norte-americana e por persistentes incertezas de ordem fiscal no Brasil.

A cotação negociada no mercado à vista subiu 0,77%, a 5,4154 reais na venda, depois de oscilar entre 5,4335 reais (+1,11%) e 5,3744 reais (+0,01%) ao longo do típico pregão encurtado de quarta-feira de cinzas.

Lá fora, o índice do dólar contra uma cesta de rivais de países ricos subia 0,25%, indo a máximas desde o começo da semana passada. Moedas de risco e/ou de países com juros baixos estavam entre as maiores quedas na sessão, com destaque para coroa norueguesa (-0,75%), franco suíço (-0,7%) e dólar da Nova Zelândia (-0,4%).

Os mercados vêm reagindo nos últimos dias ao tema reflação, num debate alimentado pela percepção de que o caminhão de estímulos monetários e fiscais pode em algum momento gerar pressões inflacionárias, o que eventualmente poderia levar o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) a retirar parte do suporte concedido aos mercados para enfrentamento da crise causada pela pandemia.

O Fed divulgou nesta tarde a ata de sua última reunião de política monetária. No documento, o banco central reiterou sua tolerância com uma inflação acima de 2% pelo tempo necessário para que a média da inflação fique na meta com o tempo.

Dados mostraram nesta manhã que os preços ao produtor dos EUA avançaram em janeiro à maior taxa desde 2009, sugerindo que a inflação nas portas das fábricas está começando a subir. A inflação no Reino Unido também acelerou em janeiro.

Uma inflação mais alta tende a aumentar os rendimentos dos Treasuries, fortalecendo, assim, a atratividade do dólar perante rivais. A taxa do Treasury de dez anos, referência global para a renda fixa, bateu nesta sessão o maior patamar em um ano.

“A inflação e atividade no EUA tem surpreendido para cima. O fluxo que vimos em janeiro para emergentes podem começar a regressar para os países de origem com a abertura (dos yields) dos Treasuries. É um bom ponto para se observar”, disse Alfredo Menezes, sócio-gestor na Armor Capital.

“Se o juros reais no mundo começarem a subir, com nosso fiscal poderemos entrar em uma espiral negativa. Nunca foi tão urgente (fazer) as reformas”, completou.

Aqui, o cenário para as contas públicas e reformas segue sob os holofotes, em meio a riscos de que uma volta do auxílio emergencial ocorra de forma a ameaçar o teto de gastos –considerado a âncora fiscal do país neste momento. Além disso, investidores voltaram a colocar nos preços algum ruído sobre medidas do governo voltadas aos caminhoneiros.

Segundo a Guide, o presidente Jair Bolsonaro prometeu na véspera outra novidade que pode reduzir o preço do óleo diesel, com o governo também discutindo possíveis alterações que abrirão o caminho para mais benefícios sociais destinados aos caminhoneiros. Os mercados sentiram recentemente o impacto negativo de declarações semelhantes feitas pelo presidente.

“A atenção dada aos caminhoneiros é bem-vista pelo mercado por afastar a possibilidade de uma nova paralisação, mas parte dos investidores ainda teme que as tentativas do governo de agradar a categoria possa resultar em uma interferência na política de preços da Petrobras ou políticas que acentuem o endividamento público, apesar das declarações do presidente que negaram ambas as possibilidades”, disse Victor Beyruti, economista da Guide.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.