Agronegócio

Real fecha 1º mês do ano na lanterna; mercado aguarda eleições no Congresso de olho em fiscal

Reuters
Reuters

29 de janeiro de 2021 - 17:19 - Atualizado em 29 de janeiro de 2021 - 17:20

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em alta nesta sexta-feira, chegando a superar 5,50 reais, puxado pela combinação de ambiente externo avesso a risco e ajustes na comunicação do Banco Central, com o mercado na defensiva às vésperas das eleições para o comando das casas legislativas.

O dólar subiu 0,77%, a 5,4786 reais na venda. A moeda oscilou entre 5,507 reais (+1,30%) e 5,4222 reais (-0,26%).

Na semana, a cotação ficou no zero a zero e só não subiu devido ao tombo de 2,71% da terça-feira.

Em janeiro, a moeda saltou 5,53%, maior alta mensal desde março de 2020 (+15,92%), no estouro da pandemia de Covid-19. A valorização ocorreu após dois meses seguidos de perdas: de 2,90% em dezembro e 6,82% em novembro.

No exterior, moedas como peso mexicano e dólar australiano –consideradas termômetros do apetite geral por risco– depreciavam, enquanto Wall Street sofria uma nova onda de vendas após incertezas sobre eficácia de vacina da J&J e receios sobre novas operações especulativas com ações.

O real até teve performance melhor que seus pares regionais na semana, mas no cômputo de janeiro a divisa mostrou o pior desempenho global –atrás até mesmo do nocauteado peso argentino.

A fraqueza da divisa brasileira está associada, entre outros motivos, aos juros baixos, que deixam a moeda mais vulnerável a apostas de venda, num contexto de ampla incerteza sobre os rumos da política fiscal.

O mercado considerou que declarações feitas na quinta pelo diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, e pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, esfriaram apostas em alta breve dos juros, o que acabou golpeando o real já na quinta e também nesta sexta. O dólar despencou 2,7% na terça-feira, quando a ata do Copom indicou um BC mais disposto a elevar a Selic.

Nesta sexta, dados mostraram explosão do déficit primário em 2020 e dívida pública em um recorde perto de 90% do PIB.

“Diante da perspectiva de menor crescimento e das incertezas fiscais, o real deve se manter pressionado neste início de ano”, disse o Bradesco em nota na qual rebaixou a perspectiva de expansão do PIB neste ano de 3,9% para 3,6%, citando o agravamento da pandemia.

“Enquanto não for descartada a hipótese de um estímulo fiscal amplo em 2021, a moeda tende a se manter bastante descolada dos pares”, afirmou o banco privado, considerando, “por ora”, cenário-base em que a regra do teto será mantida e eventuais estímulos não comprometerão de maneira relevante a trajetória esperada para a dívida pública.

No fim do ano, o Bradesco espera que o dólar esteja em 5,00 reais.

De olho nos desdobramentos para a política fiscal, o mercado encerra a semana na expectativa pelas eleições, na semana que vem, para os comandos da Câmara e do Senado, com os dois candidatos publicamente apoiados pelo governo –Arthur Lira (PP-AL) para a Câmara e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) ao Senado– mantendo favoritismo.

“Ontem o PR (presidente da República), finalmente, defendeu explicitamente a bandeira de austeridade fiscal da equipe econômica… Semana que vem, se confirmada a vitória do Lira e o discurso continuar alinhado, acho que vai ser muito positivo para os mercados”, disse Marcos Mollica, gestor de fundos multimercados do Opportunity.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.