Agronegócio

Raízen protocola prospecto de IPO e prevê destinar recursos a novas unidades

Reuters
Reuters

7 de junho de 2021 - 18:20 - Atualizado em 7 de junho de 2021 - 18:25

SÃO PAULO (Reuters) – A Raízen, joint venture entre a Cosan e a Shell na área de distribuição de combustíveis e produção de açúcar e etanol, protocolou o prospecto de sua oferta inicial de ações, segundo registro disponibilizado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira.

A operação, que envolve a venda de ações preferenciais da companhia, será coordenada por um consórcio de 12 bancos, liderado por BTG Pactual, Citi, Bank of America e Credit Suisse.

Também participam Bradesco BBI, JPMorgan, Santander, XP, HSBC, Morgan Stanley, Safra e Scotiabank.

A Raízen afirma no documento que pretende usar recursos da oferta para construir novas plantas para expandir a produção de e vendas de biocombustíveis, além de investir em eficiência e produtividade e na infraestrutura de armazenagem e logística para suportar o crescimento de volume de renováveis e açúcar.

A companhia, que se apresenta como líder mundial em biocombustíveis, diz ter tido receita líquida de 114,6 bilhões de reais no exercício social terminado em 31 de março último, o que a colocava entre as cinco maiores empresas do Brasil em receita.

Os sócios não venderão participação na oferta, que envolverá a venda apenas de ações preferenciais.

Atualmente, a Raízen conta com 26 unidades de produção de açúcar, etanol e bioenergia. Uma meta divulgada anteriormente indicou que a moagem de cana da companhia poderia aumentar para até 64 milhões de toneladas em 2021/22.

(Por Aluísio Alves)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.