Agronegócio

Rabobank inicia operações com Fundo AGRI3 em agricultura sustentável; inclui Brasil

Reuters
Reuters

22 de dezembro de 2020 - 15:17 - Atualizado em 22 de dezembro de 2020 - 15:20

SÃO PAULO (Reuters) – O banco especializado em agronegócio Rabobank deu início a duas operações de agricultura sustentável em parceria com o Fundo AGRI3, envolvendo transações no Brasil e na China, informou a instituição em comunicado nesta terça-feira.

Segundo o Rabobank, uma das operações será destinada ao Grupo Carvalho Dias, em Mato Grosso, visando a proteção florestal e a recuperação de pastagens, e a outra ao cultivo sustentável de pimenta na região chinesa de Chongqing.

“Queremos incentivar os produtores de alimentos a fazerem as melhorias necessárias em sustentabilidade… A intenção é que esses investimentos sirvam de exemplo para bancos, outras instituições financeiras e toda a cadeia de valor”, disse em nota Hans Loth, chefe global da parceria entre o Rabobank e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Unep), que integram a iniciativa com o Fundo AGRI3.

O desembolso para o Grupo Carvalho Dias alcança 5 milhões de dólares e possui prazo de dez anos. O banco holandês disse que o montante permitirá que a empresa brasileira invista em projetos de reflorestamento de 2.581 hectares e da recuperação de pastagens degradadas em 1.200 hectares.

“O objetivo da iniciativa é aumentar a lucratividade do cliente e, ao mesmo tempo, acelerar o cumprimento da rígida legislação do Código Florestal do Brasil”, afirmou o Rabobank.

Na China, por sua vez, serão liberados 10 milhões de dólares com prazo de três anos para a produção de pimenta, visando o fornecimento de acesso a financiamento, treinamento e insumos de alta qualidade para que 80 mil agricultores passem do cultivo de baixa produtividade para safras mais lucrativas e sustentáveis, de acordo com a instituição.

O Fundo AGRI3, que além de Rabobank e Unep também envolve a Iniciativa de Comércio Sustentável (IDH) e o banco holandês de desenvolvimento empresarial FMO, pretende liberar 1 bilhão de dólares para investimentos em propriedades rurais com práticas mais sustentáveis, acrescentou o banco.

(Por Gabriel Araujo)